Gerard Piqué e as Davis Cup Finals: “Odeio que lhe chamem Taça Piqué”

Gerard Piqué e David Haggerty
Gerard Piqué e David Haggerty, aquando da aprovação das mudanças na Taça Davis | Fotografia: ITF

Fundador e sócio da Kosmos, a empresa responsável pela mudança no formato da Taça Davis (cujo sorteio foi realizado esta semana), Gerard Piqué chegou com novas ideias ao ténis e tem agora a difícil missão de lutar contra as críticas que têm surgido no circuito profissional.

O futebolista espanhol começou por dizer que é um fã de ténis desde pequeno. “O meu pai era sócio do Real Club Tenis de Barcelona e eu fui ver os jogos do Conde de Godó [ATP de Barcelona] muitos anos. Agora, que sou jogador profissional, é difícil acompanhar o circuito ao vivo, mas sempre que posso vou ao Roland Garros ou ao US Open“.

Depois de comprar um clube de futebol (FC Andorra), a Kosmos centrou-se no ténis. “Queremos que a Taça Davis evolua e por isso trabalhamos em conjunto com a ITF. Até fiquei surpreendido pelo apoio positivo que o projeto recebeu por parte dos fãs e dos patrocinadores”.

As opiniões dos jogadores

“O feedback dos tenistas tem sido a parte mais dura, não vou mentir. Existem opiniões diversas sobre o novo formato e todas são respeitáveis. Alguns tenistas gostam, outros não. O nosso objetivo é que em novembro tudo saia perfeito e seja uma grande festa do ténis”, acrescentou Piqué na entrevista ao jornal espanhol Marca.

Depois de garantir que a presença de Novak Djokovic “depende apenas dele próprio” e que irá “tentar falar pessoalmente com Roger Federer“, Gerard Piqué comentou as palavras de Lleyton Hewitt. “Respeito a sua opinião porque é um tenista incrível. O que lhe posso dizer é que Kosmos não é só um presidente, mas sim uma equipa que sabe de ténis e conta com ex-jogadores como Albert Costa e Galo Blanco. Muita gente não entende que eu sou só um grande aficionado que quer criar um evento incrível”.

“Odeio que a chamem de Taça Davis do Piqué. A Taça Davis é história, algo muito grande, uma das competições mais antigas de todos os desportos. Há muita gente que não vai entender a nossa mudança, mas queremos transmitir a ideia que estão enganados e que acabem a dizer que a Taça Davis continua viva”, concluiu o atual jogador de futebol do Barcelona.

Diogo Leite
Licenciado em Gestão e com o Mestrado em Finanças concluído. É um apaixonado por ténis e padel. Adora conhecer tudo e todos dentro da modalidade, bem como estar a par das recentes notícias.