Francisca Jorge carimba primeira vitória de Portugal na Fed Cup e mantém hipóteses de manutenção

Francisca Jorge Fed Cup Raquetc
Fotografia: Fernando Correia/FPT

Entre a espada e a parede, Portugal sabia que não podia voltar a escorregar para manter vivas as hipóteses de manutenção no Grupo II da Zona Europa/África da Fed Cup. E a equipa liderada por Neuza Silva reagiu da melhor forma à situação ao conquistar um triunfo que finta a manutenção e garante um lugar no play-off de sábado — uma espécie de “segunda oportunidade”.

A primeira a dar um passo em frente foi Ana Filipa Santos, que em apenas dois sets somou a primeira vitória da carreira de quinas ao peito, e a ela seguiu-se Francisca Jorge.

A vimaranense de apenas 18 anos não tinha uma tarefa fácil pela frente mas conseguiu desenvencilhar-se de forma categórica da bem mais experiente e cotada Chanel Simmons (488.ª) — que no currículo conta com 48 internacionalizações e 42 títulos ITF — para vencer por 6-1 e 6-3 e fazer o 2-0 de Portugal contra a África do Sul.

Depois de um primeiro set de sentido único, em que impingiu dois breaks à adversária e salvou os quatro break points que enfrentou (todos ao sétimo jogo, em que acabou por fechar o parcial), Francisca Jorge encontrou mais resistência no jogo de Chanel Simmons. A bicampeã nacional voltou a ser a primeira a quebrar mas desta feita a resposta não tardou, sendo forçada a nova investida até conseguir voltar a fugir no marcador.

Com o triunfo de Francisca Jorge, o segundo a nível individual em encontros na Fed Cup este ano, Portugal soma a primeira vitória na edição de 2019, foge ao quarto e último lugar da Pool B e ganha acesso ao play-off de manutenção onde este sábado defrontará a Bósnia-Herzegovina (terceira classificada da Pool A). A equipa que vencer esse encontro continuará no Grupo II em 2020; já a seleção derrotada fará companhia à África do Sul na descida ao Grupo III.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."