João Sousa admite: “Não fui competitivo nem consegui fazer o meu jogo”

João Sousa, principal figura da seleção liderada por Rui Machado, foi chamado ao court por três ocasiões ao longo dos dois dias da eliminatória frente ao Cazaquistão, contribuindo para o triunfo alcançado nos pares, mas incapaz de repetir o sucesso nos singulares.

Com três jogos em menos de 24h, o número um português abordou o seu encontro de singulares deste sábado, referindo que esteve longe do seu melhor, com os 45 erros não forçados a serem o espelho de uma exibição que ficou longe daquilo que mostrou no início de época.

“As estatísticas dizem tudo. Não consegui jogar bem, não consegui ser fiel ao meu estilo de jogo, ser agressivo. Se calhar por mérito do adversário, mas não fui competitivo nem consegui fazer o meu jogo. Fiquei um pouco frustrado com isso e com a derrota”, confessou o tenista minhoto.

Sem alcançar o principal objetivo na visita a Astana, o pupilo de Frederico Marques lamentou o sucedido, mas afirma que é preciso “levantar a cabeça e começar a pensar na próxima eliminatória. Preparamos-nos bem e quando não consegues jogar o teu melhor não é fácil de aceitar. Esta é a nossa vida e temos de aceitá-la” declarou o melhor português de todos os tempos que segue agora para a América do Sul, onde terão lugar os seus próximos compromissos no circuito ATP.

 

Francisco Semedo
Licenciado em Turismo e a tirar Mestrado em Ciências da Comunicação, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.