Há esperança: Sousa e Elias dão a Portugal o primeiro de três pontos obrigatórios

João Sousa e Gastão Elias
Fotografia: Fernando Correia/Federação Portuguesa de Ténis

Até ao lavar dos cestos é vindima e a seleção nacional portuguesa que o diga: entre a espada e a parede à entrada para o segundo e último dia da eliminatória de qualificação para as Davis Cup Finals que se joga em Astana, Portugal estava obrigado a vencer os três encontros da jornada para regressar a casa com razões para sorrir e João Sousa e Gastão Elias deram o primeiro passo ao vencerem um equilibrado encontro de pares.

Sem qualquer margem de erro à disposição depois de um primeiro dia totalmente favorável à equipa do Cazaquistão, os dois tenistas portugueses (respetivamente 32.º e 328.º do ranking mundial de pares) deram a volta aos favoritos do público Timur KhabibulinAleksandr Nedovyesov (154.º e 408.º da tabela) para somarem a primeira vitória lusa do fim de semana, com os parciais de 3-6, 6-3 e 6-4.

À semelhança do que aconteceu nos dois encontros de singulares, também no primeiro set do par a seleção nacional portuguesa não conseguiu celebrar qualquer break de serviço. Motivados pela possibilidade de regressarem ao “Grupo Mundial”, Khabibulin/Nedovyesov deram então o primeiro passo, deixando em apuros ainda maiores a dupla portuguesa.

Só que com o segundo set chegou uma parceria mais afinada, disposta a dar a volta ao encontro e quiçá à eliminatória: João Sousa e Gastão Elias elevaram o nível de serviço e a ao quarto jogo conseguiram a primeira quebra de serviço portuguesa do fim de semana. Foi o ponto de viragem, com os dois a aproveitarem essa troca de ascendente para igualarem o encontro e se manterem em jogo.

Chegada a hora do terceiro e decisivo set — porque o novo formato eliminou as históricas batalhas à melhor de cinco parciais –, os comandados de Rui Machado conseguiram ter pontos de break logo no primeiro jogo mas foi preciso esperar-se pelo sétimo — e pela sexta oportunidade — para se concretizar. Uma vez conseguido o break, Gastão Elias não tremeu para o confirmar e pouco depois também João Sousa se mostrou exímio a fechar a contenda.

Ao fim de 1h40, João Sousa e Gastão Elias somaram a primeira vitória do fim de semana para a seleção portuguesa, que desta forma se mantém viva na eliminatória.

As contas não poderiam ser mais simples: na luta entre os melhores jogadores de cada país, João Sousa (39.º ATP) está obrigado a vencer Mikhail Kukushkin (55.º) e logo a seguir nova vitória portuguesa é necessária para consumar a reviravolta. Pedro Sousa foi o jogador inicialmente escalado por Rui Machado, mas a lesão contraída na sexta-feira poderá dar origem a uma alteração na equipa portuguesa.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."