Rui Machado mantém a confiança: “O sonho do Grupo Mundial ainda continua vivo”

O primeiro dia da eliminatória entre Portugal e o Cazaquistão não podia ter corrido pior para as cores nacionais. Depois de dois encontros bem distintos, os comandados de Rui Machado vão ter de enfrentar a segunda e derradeira jornada em solo cazaque sem qualquer margem para erros.

Em declarações à Agência Lusa, o ex-jogador e agora capitão, não escondeu que o cenário não é de todo o ideal, mas mantém a esperança numa recuperação, avisando que a eliminatória ainda está longe de estar terminada.

Não era o resultado que esperávamos no Cazaquistão, numa casa difícil, onde eles têm um histórico muito favorável. Mas todos os encontros são importantes e o de pares, na Taça Davis, é sempre fundamental”, começou por dizer, dando destaque ao terceiro encontro da eliminatória.

“Estamos focados para ganhar em pares e, isso acontecendo, a eliminatória fica completamente em aberto. O 2-0 agora parece pesado, mas com 2-1 já será completamente diferente. Não foi possível a vitória, mas a eliminatória ainda está em aberto. O sonho do Grupo Mundial ainda continua vivo“, avisou o técnico algarvio.

Falando individualmente sobre cada jogador que foi a jogo esta sexta-feira e das suas respetivas exibições, Rui Machado considera que João Sousa fez um bom encontro apesar do desaire, dando muito mérito a Alexander Bublik pela forma como serviu.

“O João, apesar da derrota, fez um bom encontro. Defrontou um adversário que jogou e serviu muito bem, de forma excecional, e isso fez com que, num momento menos bom e em que baixou momentaneamente o nível, pesasse muito. Qualquer selecionador e português deve ficar orgulhoso da maneira como o João se entregou a este encontro“, considerou.

Quanto a Pedro Sousa, Rui Machado constata que o lisboeta não encontrou as armas para superar o favoritismo de Mikhail Kukushkin. “O Pedro não conseguiu encontrar o melhor registo para fazer frente ao Kukushkin, que fez um excelente encontro. Quase não errou em nenhuma bola e taticamente jogou de forma irrepreensível. É um excelente jogador em piso rápido e era favorito. Estou orgulhoso da nossa equipa”, finalizou o ex-número 1 português.

Recorde-se que Portugal está obrigado a vencer os três encontros agendados para este sábado (inicia-se às 6h com o encontro de pares) com vista a garantir a presença inédita na primeira edição das finais da Taça Davis.

Francisco Semedo
Licenciado em Turismo e a tirar Mestrado em Ciências da Comunicação, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.