João Sousa vence segunda maratona consecutiva e iguala melhor resultado da carreira em Melbourne

Três dias, três vitórias. João Sousa garantiu na madrugada desta quinta-feira o apuramento para a terceira ronda do quadro principal de singulares do Australian Open, igualando a melhor prestação da carreira em Melbourne.

Dois dias depois de ter superado uma batalha de 4h03 frente ao argentino Guido Pella, o tenista vimaranense de 29 anos conseguiu sorrir por último naquela que foi mais uma “maratona”: venceu o alemão Philipp Kohlschreiber (número 32 mundial e por isso último na lista de cabeças de série) depois de 4h18 de encontro, pelos parciais de 7-5, 4-6, 7-6(4), 5-7 e 6-4.

O português e o alemão mediram forças pela quinta vez — a primeira desde 2017, quando Kohlschreiber igualou o frente a frente ao vencer a final de Kitzbuhel — num dia marcado pela chuva que interrompeu várias vezes a ação quer neste, quer nos restantes courts. E tal como na primeira jornada João Sousa apresentou-se a um nível elevado, com destaque para a pancada de serviço (no total, foram 28 os ases disparados pela raquete do número um nacional).

Foram várias as situações de aperto que se verificaram para ambos os jogadores ao longo de todo o encontro e foi o pupilo de Frederico Marques quem reagiu melhor a todos os acontecimentos. Entre a chuva que atrasou e interrompeu o duelo, as constantes reações e investidas de parte a parte e o muito ténis que levava nas pernas para o duelo desta quinta-feira, João Sousa esteve na luta por todos os parciais e mesmo nos dois que cedeu teve as suas oportunidades. A exibição ficou marcada pelo carácter ofensivo do português, que conseguiu imprimir muita velocidade no jogo para apontar um impressionante total de 74 winners.

Ao somar a segunda vitória no quadro principal de singulares — à qual junta o triunfo frente a uma das melhores duplas do mundo na primeira ronda de pares –, João Sousa iguala o melhor resultado da carreira no Australian Open, alcançado nos anos de 2015 e 2016.

A separar o tenista natural de Guimarães da sua melhor prestação de sempre em Melbourne Park (e quarta ronda de um torneio do Grand Slam pela segunda vez consecutiva) estará um dos nomes grandes do circuito: o nipónico Kei Nishikori (9.º ATP), que eliminou Ivo Karlovic com os parciais de 6-3, 7-6(6), 5-7, 5-7 e 7-6(7).

Atualizado às 07h37.

Adepto do desporto em geral mas com especial carinho pela "bolinha saltitona". O bichinho surgiu ainda Rafael Nadal não tinha mangas e não mais saiu. Chegada a oportunidade de me juntar ao Raquetc, juntamente com a minha ambição de ser jornalista, foi fácil aceitar juntar-me à equipa.