Inesquecível: wild card Bolt salva quatro match points rumo à maior vitória da carreira

Nick Kyrgios e Bernard Tomic caíram na primeira ronda e de certa forma já habituaram os seguidores australianos (e um pouco por todo o mundo) a criarem poucas expetativas, mas há outros nomes promissores do ténis australiano a brilharem nesta edição do “Happy Slam”.

Um dia depois de Alex de Minaur ter carimbado o acesso à terceira ronda do quadro principal de singulares, outros dois jovens da casa se seguiram: Alexei Popyrin foi o primeiro. O jovem natural de Sydney recebeu um wild card para disputar o quadro principal (é o número 149 do ranking) e está a aproveitá-lo da melhor maneira possível: esta quinta-feira, liderava por 7-5, 6-4 e 2-0 contra o sétimo cabeça de série Dominic Thiem, que acabou por desistir lesionado. Na primeira ronda, o austríaco tinha jogado até às duas da manhã contra Benoit Paire.

Pouco depois seguiu-se a vitória do dia: Alex Bolt, que ocupa o 155.º posto do ranking e também recebeu um wild card, não se deixou ir abaixo pelos quatro match points que enfrentou e protagonizou uma das surpresas do torneio ao derrotar o 29.º cabeça de série Gilles Simon, por 2-6, 6-4, 4-6, 7-6(8) e 6-4 em 4h04.

Esta é a primeira vez desde o ano de 2006 que a Austrália tem dois jogadores fora do top 100 mundial apurados para a terceira ronda do quadro principal de singulares masculinos.

Na terceira ronda todos eles conhecerão outros desafios de dificuldade elevada: Alex de Minaur defronta Rafael Nadal, Alexei Popyrin desafia Lucas Pouille e Alex Bolt está à espera de Alexander Zverev, que à hora da publicação deste artigo liderava o encontro frente a Jeremy Chardy por um set a zero.

Sucesso também no quadro feminino

E este trio de rapazes não está sozinho: tal como referimos em publicações anteriores, na terceira ronda do quadro principal feminino estão já Ashleigh Barty (a 15.ª cabeça de série, que vai defrontar a cada vez mais perigosa Maria Sakkari — responsável pela eliminação da australiana Astra Sharma) e ainda Kimberly Birrell, a jovem de 20 anos que vai medir forças com a ex-campeã Angelique Kerber.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."