João Domingues regressa ao court na próxima madrugada com história pessoal e nacional em jogo

Joao Domingues
Fotografia: Millennium Estoril Open

É já na madrugada desta sexta-feira que João Domingues discute o apuramento para o quadro principal de singulares do Australian Open 2019. O encontro tem importância redobrada: em caso de vitória, o jogador natural de Oliveira de Azeméis escreverá não só uma página de história ao nível pessoal como nacional.

Em causa está a presença inédita de três jogadores portugueses no quadro principal de singulares masculinos do mesmo torneio do Grand Slam.

Com João Sousa e Pedro Sousa confirmados com entrada direta, João Domingues pode juntar-se a eles e tornar este cenário realidade.

Para isso, o número três nacional tem de bater o bem mais experiente e cotado Henri Laaksonen, que já esteve no top 100 mundial (foi 93.º em 2017). O encontro está marcado para as 00h30 de Portugal Continental e será transmitido no Eurosport Player.

Até ao momento, o melhor registo (dois portugueses no mesmo quadro principal de singulares) verificou-se em 20 ocasiões, graças a cinco “pares” de jogadores:

Nuno Marques e João Cunha e Silva (4): Australian Open 1989 e 1991, Roland Garros 1991 e Wimbledon 1996.

Frederico Gil e Rui Machado (7): Australian Open 2011, 2012, Roland Garros 2009, 2011, US Open 2008, 2009 e 2011.

João Sousa e Rui Machado (1): Roland Garros 2012.

João Sousa e Gastão Elias (7): Australian Open 2017, Roland Garros 2014, 2015 e 2016, Wimbledon 2016 e 2018, US Open 2016.

João Sousa e Pedro Sousa (1): Australian Open 2019.

Caso some a terceira vitória consecutiva em Melbourne Park, João Domingues será ainda o oitavo jogador português da história a marcar presença no quadro principal de singulares masculinos de um dos quatro maiores torneios do mundo. Nuno Marques foi o primeiro, no US Open de 1988, e logo cinco meses depois João Cunha e Silva repetiu o feito ao jogar o Australian Open de 1989.

Entretanto, também Frederico Gil (Roland Garros 2008), Rui Machado (US Open 2008), João Sousa (Roland Garros 2012), Gastão Elias (Wimbledon 2013) e Pedro Sousa (também neste Australian Open 2019) o conseguiram.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."