Gastão Elias despede-se do Challenger do Ohio na terceira eliminatória

Gastão-Elias-i

Terminou a campanha de Gastão Elias (248.º ATP) no January Columbus Challenger, torneio de categoria 80 que distribui 54.160 dólares em prémios monetários.

Uma semana depois de ter entrado na nova época com umas meias-finais, o tenista português procurava mais um bom resultado mas foi eliminado na terceira ronda pelo francês Vincent Millot (325.º), parciais de 6-4, 1-6 e 6-1.

Tal como as condições de jogo (em Orlando, na Flórida, o sol brilhava nos courts ao ar livre das instalações da USTA, enquanto em Columbus, Ohio, só graças ao recinto coberto se conseguiu combater os quatro graus negativos e muita neve do outro lado das paredes), também o rendimento do número quatro nacional foi diferente.

Gastão Elias elaborou uma prestação de muitos altos e baixos, conseguindo exibir-se de forma irrepreensível para igualar a contenda com a vitória no segundo set e descendo consideravelmente o nível logo a seguir, num parcial que ficou decidido assim que Millot fez o break inaugural — depois, só precisou de gerir a vantagem.

Esta foi a quarta vez em cinco encontros que Vincent Millot levou a melhor sobre Gastão Elias. As duas primeiras vitórias datam de 2008, ambas no Canadá, e foi preciso esperar por 2014 por um novo encontro, esse com vitória portuguesa. Exatamente um ano depois, no mesmo Challenger de Blois, os dois voltaram a encontrar-se e Millot foi novamente superior, tal como esta quinta-feira.

Ainda esta quinta-feira estão marcados mais dois encontros com portugueses: quer Gonçalo Oliveira (com Andrea Vavassori) quer Bernardo Saraiva (com Maxime Cressy) estão no quadro de pares.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."