Frederico Silva anula desvantagem de um set e iguala melhor resultado da carreira em Challengers de 150.000 dólares

Frederico Silva (292.º ATP) continua a dar-se bem com os ares asiáticos e carimbou, na tarde desta quarta-feira, o apuramento para os quartos de final do Challenger de 150.000 dólares de Bangalore, na Índia, igualando o melhor resultado do ano (e da carreira) em torneios desta categoria.

Cerca de 24 horas depois de ter superado o sérvio Danilo Petrovic, o jovem caldense voltou a precisar de três partidas para seguir em frente — desta vez, invertendo mesmo a desvantagem de um set rumo à vitória por 5-7, 6-4 e 6-2 frente a Daniel Masur (291.º ATP), que na véspera tinha deixado pelo caminho o terceiro cabeça de série, Elias Ymer.

A jogar um dos torneios mais fortes do calendário no que a pontos (o vencedor recebe 125, metade de um torneio ATP 250) e prémios monetários e diz respeito, Frederico Silva queria igualar a melhor prestação da carreira, alcançada há dois meses — quando desde o qualifying chegou aos “quartos” em Kaohsiung, sendo apenas travado pelo talentoso Duckhee Lee.

E assim foi: depois de muito lutar, o número 6 português no ranking ATP conseguiu anular a desvantagem de um set frente ao tenista alemão, subindo os níveis de rendimento nos parciais seguintes para lhe quebrar por cinco vezes o serviço (cedendo o seu “saque” em apenas duas ocasiões). A primeira pancada de Silva subiu de tal forma de rendimento que o pupilo de Pedro Felner terminou mesmo o encontro com um ás — o seu 10.º ao longo de 1h56 de encontro.

Para voltar a seguir em frente, e alcançar as segundas meias-finais da carreira em Challengers (as primeiras aconteceram no torneio de 50.000 dólares de Banguecoque, em 2016), o jovem tenista português de apenas 23 anos terá de passar por Aleksandr Nedovyesov. O tenista cazaque de 31 anos, que é o 211.º da tabela mas em 2014 chegou a ocupar a 72.ª posição, surpreendeu o quinto cabeça de série Marc Polmans e vai estar no seu caminho pela primeira vez.

Notícia corrigida às 17h15: é o melhor resultado da carreira de Frederico Silva em torneios de 150.000 dólares, ele que no início de 2016, mas num torneio de 50.000 dólares, se estreou em meias-finais.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."