Gonçalo Falcão e Gonçalo Pereira salvam match point e são campeões nacionais de pares

Gonçalo-Pereira-e-Gonçalo-Falcão
Fotografia: Cirilo Vale

PORTO – Final emocionante a fechar o quadro principal de pares do Campeonato Nacional Absoluto/Taça Guilherme Pinto Basto, com Gonçalo FalcãoGonçalo Pereira a salvarem um match point para, seis anos depois, voltarem a vencer lado a lado a prova rainha do ténis português.

Depois de chegarem inesperadamente à final, como referiram quer na cerimónia quer na conversa com o Raquetc e a organização, os dois Gonçalos tiveram como último desafio os favoritos Francisco Cabral Tiago Cação e ao fim de 1h09 ficaram mesmo com o mais desejado dos troféus, graças à vitória por 3-6, 6-1 e 12-10.

Se o começo do encontro foi favorável à dupla do Centro de Alto Rendimento, que conquistou o título no ano de 2016, o segundo set marcou um ponto de viragem na final: Falcão e Pereira conseguiram entrar no jogo, igualando o marcador para levarem a decisão ao super tie-break. Aí, até foram eles quem chegaram primeiro ao limiar da vitória, mas Cabral e Cação conseguiram anular os três match points para ganharem, eles próprios, um ponto de encontro.

Com muita emoção à mistura, o marcador deu mais uma volta: Gonçalo Falcão e Gonçalo Pereira venceram três pontos consecutivos para conquistarem o título.

Para Gonçalo Falcão, trata-se do terceiro título na variante de pares masculinos (já tinha vencido com Nuno Páscoa em 2008 e Gonçalo Pereira em 2012), enquanto para Gonçalo Pereira se trata do quinto: para além da vitória com Falcão, também já tinha ganho em 2011 (com Diogo Cabral), 2013 e 2014, ambos com João Domingues.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."