Cabral e Cação desafiam dupla de Gonçalos na final de pares do Campeonato Nacional

pares
Fotografia: Cirilo Vale

PORTO – Estão definidas as duplas que vão disputar a final de pares masculinos do Campeonato Nacional Absoluto/Taça Guilherme Pinto Basto 2018, que se joga esta sexta-feira no court coberto P1 do Clube de Ténis do Porto. O Raquetc transmitirá o encontro em direto no Facebook.

A primeira dupla a garantir o apuramento para a final foi aquela que coloca lado a lado dois Gonçalos. Segundos cabeças de série, Gonçalo Pereira (do CETO) e Gonçalo Falcão (do CIF) derrotaram Afonso Portugal e Bernardo Roque, por 6-1 e 6-4. Na estreia, os dois já tinham levado a melhor sobre Fábio Coelho e Martim Leote Prata (6-4 e 7-5).

Pouco depois, e num encontro que estava a ser disputado no court ao lado, Francisco Cabral — que está a jogar em casa — e Tiago Cação (do Clube de Ténis de Peniche) levaram a melhor sobre os algarvios José Ricardo Nunes e Tomás Luís (ambos do CT Faro) com os parciais de 6-1 e 6-2. Nos duelos anteriores, a equipa do Centro de Alto Rendimento já tinha deixado pelo caminho João Miguel Ferreira/Tomás Pinho (6-2 e 6-3) e Gonçalo Ferreira/Simão Alves (6-4, 5-7 e 10-7).

A final masculina do Campeonato Nacional Absoluto/Taça Guilherme Pinto Basto joga-se esta sexta-feira, nunca antes das 14h. Antes, às 12h30, tem lugar a final de pares femininos, enquanto a decisão de pares mistos está agendada para as 16h30. Todos os encontros terão transmissão em direto no Facebook do Raquetc.

Francisco Cabral/Tiago Cação vs. José Ricardo Nunes/Tomas Luis, meias-finais do Campeonato Nacional Absoluto:

Publicado por Raquetc em Quinta-feira, 8 de Novembro de 2018

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."