Matilde Jorge e José Ricardo Nunes, a dupla improvável que está na final de pares mistos

Fotografia: Cirilo Vale

Matilde Jorge nasceu a 7 de abril de 2004. Cinco meses depois, José Ricardo Nunes sagrou-se campeão nacional de juniores. A vimaranense e o algarvio têm 18 anos de diferença e formam a dupla mais improvável do Campeonato Nacional Absoluto/Taça Guilherme Pinto Basto mas a verdade é que na tarde desta quarta-feira garantiram o apuramento para a final de pares mistos.

José Ricardo Nunes Sub18 2004
José Ricardo Nunes com o troféu de campeão nacional de juniores conquistado em 2004.

O convite surgiu da parte do experiente jogador algarvio, que aos 32 anos é já uma figura do ténis nacional. Campeão nacional há um ano ao lado de Cláudia Gaspar, José Ricardo Nunes queria voltar a unir esforços com a sua parceira das últimas edições, mas a leiriense encontra-se a estudar fora do país e teve de falhar a prova.

Foi, por isso, o nome de Matilde Jorge o que mais chamou a atenção do por 13 vezes campeão regional do Algarve. E, uma vez aceite, contam-se por vitórias os encontros já realizados: 6-1 e 6-0 na estreia, frente a Flávia Macedo/Ricardo Rodrigues, e 6-1 e 6-1 perante Carolina Likhatcheva/Tomás Marques no duelo desta quarta-feira.

As contas são fáceis de fazer: num quadro de oito duplas, estes resultados valem a Matilde Jorge e José Ricardo Nunes a presença na final do quadro de pares mistos, na sexta-feira. Os adversários? Os primeiros cabeças de série Cláudia Cianci e Gonçalo Pereira, que depois de um bye na primeira eliminatória derrotaram Beatriz Abreu e Hugo Maia.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."