João Monteiro garante quarta final consecutiva e volta a desafiar Fred Gil, agora em Tavira

TAVIRA – Foi preciso esperar que o sol voltasse a nascer para que a meia-final entre João Monteiro é Tiago Cação se concluísse. E se já tinha saído de campo com o ascendente na noite de sexta-feira, na manhã deste sábado João Monteiro voltou a ser superior para carimbar o acesso à final do quadro principal de singulares do HPZ Ricoh Tavira Tennis Open, o Future de 25.000 dólares organizado pelo Clube de Ténis de Tavira.

Frente a frente pela sexta vez na carreira, os dois jogadores portugueses batalharam por 2h59 na jornada de sexta-feira (já depois de, no mesmo dia, terem vencido os respetivos encontros dos quartos de final) até que a falta de luz natural e artificial ditou a suspensão do encontro.

O resultado marcava 7-6(4), 5-7 e 2-1 (com um break) a favor de Monteiro. Apesar de ter entrado melhor — conseguiu ficar em vantagem por um break logo no início –, Cação não conseguiu vencer o primeiro parcial e viu-se obrigado a ir à luta no segundo, acabando por conseguir igualar a contenda já depois de ambos os jogadores terem requisitado a interrupção alegando pouca visibilidade. Mas o encontro continuou. Não por muito tempo, mas o suficiente para o mais cotado e experiente dos dois conseguir sair do campo com um break de vantagem.

E esse break revelou-se decisivo para o reatar do encontro, no qual João Monteiro foi o único a conseguir praticar o ténis necessário para garantir um lugar na final: o portuense venceu os quatro jogos que se disputaram esta manhã para vencer pelos parciais de 7-6(4), 5-7 e 6-1 e avançar para a final — a sua quinta nas últimas seis semanas e quarta consecutiva.

Agora, João Monteiro (quarto cabeça de série em Tavira) vai enfrentar o jogador que teve pela frente em três dessas finais: Fred Gil. Em Palmela é Idanha-a-Nova foi o sintrense quem levou a melhor, mas na última, em São Brás de Alportel, a vitória sorriu ao portuense.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."