João Monteiro e o terceiro título: “Foi muito bom fechar estas seis semanas com chave de ouro”

João-Monteiro-e-Vasco-Costa
A semana vitoriosa em Tavira foi a terceira consecutiva de João Monteiro em torneios Future.

TAVIRA – Seis semanas, cinco finais, três títulos e 15 vitórias consecutivas. Os números são muitos e a alegria de João Monteiro ainda maior. E não é para menos: o portuense de 24 anos fechou da forma perfeita um ciclo de seis semanas non-stop no circuito profissional — com chave de ouro, aliás, como disse ao Raquetc depois de vencer mais uma decisão.

“Foi muito bom fechar estas seis semanas de competição com chave de ouro aqui em Tavira, no Algarve. Voltei a jogar bom ténis e a estar bem quer física quer animicamente”, começou por dizer o primeiro campeão do HPZ Ricoh Tavira Tennis Open. “Claro que sozinho seria impossível e por isso tenho de agradecer ao Ricardo [Cortes] e ao Ivan [Reis], que me têm ajudado diariamente. Mesmo estando distantes estão sempre presentes e sempre que acabo um jogo falamos e vemos o que há a melhorar.”

“E também quero agradecer a uma pessoa muito importante, que é a minha namorada. É quem me tem ajudado mais na minha carreira neste último ano e sempre acreditou em mim. Às vezes as namoradas não recebem o devido valor e ela tem-me ajudado muito”, acrescentou o atual número 368 do mundo.

Quanto ao encontro propriamente dito, no qual somou a segunda vitória consecutiva sobre Fred Gil (depois de duas derrotas), revelou saber “que ele tinha na cabeça a desistência e o cansaço da final anterior — no SBA Tennis Open — e que hoje vinha com tudo para esta final. Mas eu estava preparado desde o início para ele ‘saltar para cima de mim’ e acho que estive muito bem. Joguei um ténis sólido, fui agressivo quando tive de ser e servi muito bem. Ele fez provavelmente o melhor encontro destas últimas seis semanas contra mim e eu mesmo assim consegui ganhar, o que demonstra muito bem o que consegui fazer.”

Merecedor de um comentário por parte do número oito nacional foi, também, a afluência do público tavirense ao encontro deste domingo — nas bancadas estiveram certamente mais de 200 pessoas. “Foi incrível. Não estava nada à espera que viesse tanta gente, estavam mesmo muitas pessoas a assistir e um muito bom ambiente. Isso facilita, dá-nos mais motivação e acho que puderam desfrutar de um bom encontro a um bom nível por parte dos dois.”

Agora… Uma semana de decisões. Com o repouso como prioridade para os próximos dias, João Monteiro vai tomar uma decisão em relação ao próximo destino. “Gostava muito de ir ao Campeonato Nacional Absoluto [4 a 10 de novembro no Clube de Ténis do Porto] mas estando a sentir-me tão bem gostava de dar uma última oportunidade aos Challengers este ano. Tenho de falar com os meus treinadores para decidir”, revelou o vencedor da prova rainha do ténis português em 2016 — em 2017 lesionou-se na véspera do arranque e viu-se forçado a colocar um ponto final na temporada.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."