João Domingues fecha com chave de ouro dia histórico para Portugal

João Domingues
Fotografia: Fernando Correia/FPT 2018

LISBOA – Já com a presença garantida na primeira edição do qualifying das Davis Cup Finals, João Domingues — o único elemento da comitiva nacional que ainda não tinha disputado qualquer encontro — deu o melhor final possível a um dia de festa no CIF – Club Internacional de Foot-Ball.

No segundo embate deste sábado (o quarto no conjunto total da eliminatória), o atleta de Oliveira de Azeméis teve a sua oportunidade de participar num dia histórico ao enfrentar o teenager Philip Henning (sem ranking), de apenas 17 anos de idade e em estreia absoluta na Taça Davis.

Com a balança do favoritismo a pender largamente em seu favor, Domingues encontrou pela frente um jovem destemido e visivelmente determinado em alcançar o ponto de honra para o seu país. Ao primeiro break conquistado pelo tenista português, Henning surpreendeu ao recuperar imediatamente a desvantagem. Contudo, logo de seguida e já ciente da irreverência do adversário, o eventual vencedor voltou a sair por cima na partida inaugural, desta feita assegurando a vantagem na disputa.

Se a fase inicial do confronto se revelou pautada por um equilíbrio de forças, o segundo e decisivo set conta uma história bem diferente. Domingues acelerou com uma quebra no primeiro jogo e só parou na altura de cumprimentar o apático oponente sul-africano à rede. Os parciais finais definiram-se em 6-4 e 6-0, ao cabo de uma hora de contenda, somando um resultado final de 4-0 a favor da equipa portuguesa.

Recorde-se que três dos quatro representantes nacionais nesta eliminatória (Gastão Elias, Pedro Sousa e João Domingues) seguem agora para Lima, a capital do Peru, onde irão participar no torneio Challenger local já a partir da próxima segunda feira. Já João Sousa, viaja na segunda-feira para Basileia, onde vai disputar o ATP 500 organizado na cidade suíça.

No dia 30 de outubro tomará lugar o sorteio que dará a conhecer o adversário da seleção portuguesa no qualifying das Davis Cup Finals: ou o Canadá, em solo português, ou o Cazaquistão, fora de portas.

António Vieira
Natural de Lisboa e licenciado em Gestão, vê no Ténis uma extraordinária modalidade com vasto potencial a ser explorado em Portugal. Tem como principal objetivo a contribuição no seu crescimento partilhando com o Mundo a sua espetacularidade.