Xangai. Novak Djokovic segue para as meias-finais e fica a um passo do segundo lugar do ranking

Novak Djokovic
Fotografia: Shanghai Rolex Masters

Novo dia, nova vitória de Novak Djokovic. O tenista sérvio continua a dominar em Xangai e esta sexta-feira qualificou-se para as meias-finais do Masters 1000 chinês, um resultado que o deixa a apenas um triunfo de ultrapassar Roger Federer no ranking mundial.

Naquele que foi mais um capítulo do cada vez mais assumido “ataque” ao primeiro lugar da hierarquia — um objetivo que gostava de cumprir ainda este ano –, o campeão em título de Wimbledon e do US Open derrotou Kevin Anderson, por 7-6(1) e 6-3.

Numa reedição da final de Wimbledon, o sérvio encontrou um sul-africano super consistente no primeiro parcial. Sempre muito apoiado no “saque”, Kevin Anderson só enfrentou um break point (que salvou) e até dispôs de um set point, mas não o conseguiu concretizar e o “salvamento” inspirou Novak Djokovic, que roçou a perfeição no tiebreak para se adiantar.

Com o importante primeiro passo, o número 3 mundial ganhou ânimo e quebrou logo a abrir o parcial seguinte, não mais olhando para trás à medida que ia construindo o caminho da vitória em dois sets — sempre bem vinda quando se tratam de fases adiantadas de um torneio.

Já nas meias-finais, Novak Djokovic procura o quarto título em Xangai (venceu em 2012, 2013 e 2015) e o quarto troféu da época, ele que desde a segunda metade de 2018 venceu três dos quatro grandes torneios disputados: Wimbledon, o Masters 1000 de Cincinnati e o US Open. O próximo adversário chama-se Alexander Zverev e uma vitória do sérvio nesse encontro valerá não só uma presença na final como a subida ao segundo lugar do ranking, ultrapassando Roger Federer.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."