África do Sul sem surpresas na convocatória para visita a Portugal

É sem surpresas na convocatória que a África do Sul aborda a eliminatória do Grupo I da Taça Davis com Portugal. As duas seleções encontram-se nos próximos dias 19 e 20 de outubro no CIF – Club Internacional de Foot-Ball, em Lisboa, e em jogo está a passagem ao qualifying das novas Davis Cup Finals.

Sem poder contar com Kevin Anderson, em litígio com a Federação Sul-Africana de Ténis desde 2011, o capitão Marcos Ondruska convocou os quatro melhores jogadores disponíveis: Lloyd Harris (113.º ATP), Nicolaas Scholtz (492.º), Ruan Roelofse (712.º) e o duplista Raven Klaasen (18.º e top 10 há dois anos, que já conquistou 14 títulos e esteve noutras 16 finais, incluíndo o Australian Open 2014 e Wimbledon, este ano).

Entre os selecionados, destaca-se um jogador que deu muito que falar em Portugal no início do ano e, agora, começa a quebrar barreiras “lá fora”. Quando, em março, perdeu o pai, Lloyd Harris estava perto de imaginar que sairia do país com os troféus de campeão dos Futures de Vilamoura e Lisboa. Mas aconteceu. E depressa começou a escalar mais e mais degraus, participando pela primeira vez em torneios do Grand Slam, ATPs e conquistando Challengers (este fim de semana somou o segundo título, ao vencer em Stockton).

Numa questão de meses, o 340.º posto do ranking transformou-se no 113.º e a entrada no top 100 é iminente. Por isso, mesmo não indo a jogo na sua superfície favorita, o piso rápido, é a maior ameaça da seleção sul-africana no que à variante de singulares diz respeito.

Nuno Marques, convocou João Sousa, Pedro Sousa, Gastão Elias e João Domingues e já sabe que pode contar com os quatro jogadores, que mudaram calendários e decisões para lutarem pelo objetivo: levar Portugal ao qualifying da primeira edição das Davis Cup Finals (o equivalente ao antigo play-off).

Atualizado às 17h15.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."