Frederico Silva soma terceira vitória consecutiva e chega ao quadro principal em Tashkent

Fotografias: BTA Futures

Pela terceira vez em quatro tentativas, Frederico Silva (291.º ATP) selou, esta segunda-feira, o apuramento para o quadro principal de singulares de um torneio Challenger. Desta vez, em Tashkent, no Uzbequistão, onde se vai juntar ao compatriota Gonçalo Oliveira na prova que distribui 75.000 dólares em prémios monetários.

A vitória desta segunda-feira aconteceu frente ao cazaque Denis Yevseyev, número 302 do ranking, pelos parciais de 6-7(7), 6-2 e 6-4 quando estavam decorridas 2h41 de encontro.

Antes, o jogador caldense de 23 anos — que defendia o estatuto de segundo cabeça de série — já tinha deixado pelo caminho Luca Margaroli (6-1 e 6-1) e Striram Balaji (por 6-2, 5-7 e 7-6[2]).

Com os três triunfos somados em Tashkent, Frederico Silva repete as boas campanhas de Zhangjiagang (onde foi afastado na primeira ronda do quadro principal) e Kaohsiung (onde chegou aos quartos de final da prova de 150.000 dólares). Xangai, na China, foi o único torneio onde o tenista português não conseguiu passar pela fase de qualificação, sendo que desta “tour” pelo continente asiático faz ainda parte a entrada direta no Challenger de Almaty, onde se bateu de forma notável frente ao ex-top40 Denis Istomin.

Agora, há cinco possíveis resultados de sorteio para o pupilo de Pedro Felner na primeira ronda do quadro principal: ou defronta Tobias Kamke, ou Enrique Lopez Perez (terceiro cabeça de série), ou Alexey Vatutin (quinto), ou Danilo Petrovic ou Egot Gerasimov, todos eles presentes na metade inferior do quadro. Já Gonçalo Oliveira, está na de cima e encontra um convidado no encontro de estreia.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."