Taça Davis. Quarteto luso disponível e com motivação extra para receção à África do Sul

Portugal Taça Davis
Fotografia: Fernando Correia/Federação Portuguesa de Ténis

João Sousa, Pedro Sousa, Gastão Elias e João Domingues. Os jogadores escolhidos para as últimas quatro eliminatórias de Portugal na Taça Davis mudaram calendários e decisões e vão voltar a representar a seleção nacional nos dias 19 e 20 de outubro, confirmaram ao Raquetc.

A eliminatória, marcada para o court central do Club Internacional de Foot-Ball, em Lisboa, vale um lugar no qualifying das Davis Cup Finals — o novo formato da “primeira divisão” da competição — e por isso a motivação é grande.

Esse foi, aliás, um dos motivos que fez com que todos respondessem positivamente à chamada do capitão Nuno Marques. Mesmo se participar nesta eliminatória significa perder uma semana de competição no circuito ATP e, consequentemente, a adição de pontos ao ranking.

Poucas horas depois da derrota na primeira ronda do play-off do Grupo I para a Ucrânia, João Sousa tinha dito ao jornal A Bola que a presença na eliminatória seguinte ainda não era certa.

Agora, a cerca de duas semanas da receção a uma África do Sul desfalcada da sua maior estrela (em litígio há vários anos, Kevin Anderson não joga a competição desde 2011), o número 1 português confirma a presença. “Apesar de perder uma semana do circuito ATP, que era importante para amealhar pontos e terminar o ano no ranking mais alto possível, estando em causa a presença no novo play-off é importante estar presente e ajudar a seleção nacional a conseguir esse objetivo.”

Também Pedro Sousa garante que vai a jogo no CIF, uma espécie de “segunda casa” — o pai, Manuel de Sousa, é o responsável pela escola de ténis do clube. “Inicialmente ia jogar o Challenger de 125.000 dólares de Santo Domingo, fazia uma semana de treino em Miami e ia de lá para a América do Sul, mas com a eliminatória em Portugal não fazia sentido estar a fazer tantas viagens e optei por jogar em Barcelona na próxima semana.”

O lisboeta, que não compete há cerca de 15 dias, contou que “depois de muitas semanas em torneios e praticamente sem treinar mais de uma semana entre viagens e torneios, os meus treinadores acharam melhor meter duas semanas de treino para ganhar forma, puxar mais pelo físico e descansar mentalmente para atacar o que falta do ano com força.”

Gastão Elias, por sua vez, diz que estar em jogo a presença no qualifying (equivalente aos play-offs disputados por Portugal em 1994 e 2017) “foi o principal motivo” para estar com a equipa, ele que antes do resultado dos selecionados lusos em Bucha tinha programado dedicar a semana em causa aos treinos.

As notícias do lourinhanense não se ficam por aqui. Apesar de esta quarta-feira ter perdido pela oitava vez consecutiva (já não ganha desde maio), o número 3 nacional diz estar “cada vez melhor. Em termos físicos foi o melhor jogo dos últimos tempos mas ainda assim preciso de melhorar. Foi um dos dias mais quentes em que joguei nos últimos tempos e tive algumas dificuldades para aguentar. Consegui jogar um bom primeiro set mas infelizmente o físico não chegou para fazer um segundo set competitivo.”

João Domingues também está a preparar a eliminatória entre Portugal e África do Sul. No Facebook, o tenista natural de Oliveira de Azeméis partilhou um vídeo de um dos exercícios que tem feito antes de viajar para Barcelona, onde tal como Pedro Sousa estará a disputar um torneio Challenger.
Atualizado às 18h39. 
Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."