Frederico Silva cessa excelente prestação em Taiwan nos quartos de final

Tudo tem um fim e o de Frederico Silva (310.º) no Challenger de Kaohsiung acabou por ocorrer esta sexta-feira na sequência de um desaire em duas partidas nos quartos de final.

Oriundo da fase de qualificação (vale a pena lembrar) e por isso já com cinco encontros (e consequentes vitórias) nas pernas, o jogador caldense de 23 anos partia para o court em busca das segundas meias-finais da carreira em provas deste nível (Banguecoque, 2016) mas primeiras em eventos de 150.000 dólares.

No entanto, e embora a força de vontade e motivação fossem muitas, o desgaste também o era e foi precisamente essa a componente que mais pesou na balança.

Comparativamente mais cansado física e emocionalmente, o pupilo de Pedro Felner bem que tentou lutar de igual para igual com o sul-coreano Duckhee Lee, de 20 anos de idade e número 232 mundial, mas o asiático aproveitou a maior debilidade do tenista luso para prevalecer por 6-2 e 7-5 ao cabo de uma hora e 20 minutos.

Ainda que tenha falhado aquele que seria o melhor resultado da carreira, Frederico Silva tem imensos motivos para sair de cabeça erguida de Taiwan, tendo desde já a garantia do regresso ao top-280 por ter amealhado um total de 30 pontos.

Natural da Ilha do Pico, Açores. Estudante do 3.º ano do curso de Direito da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Amante e seguidor de ténis desde a adolescência.