Lisboa Women Open: Francisca Jorge brilha na competição de pares e faz esquecer derrotas em singulares

Francisca-Jorge

LISBOA – Ao segundo dia do quadro principal, a armada portuguesa presente no Lisboa Women Open afundou de vez no que toca à vertente de singulares. No seguimento das eliminações de Cláudia Cianci e Inês Teixeira durante a jornada de terça-feira, Francisca Jorge e Ana Filipa Santos também não conseguiram encontrar argumentos capazes de fazer frente às respetivas adversárias.

A iniciar a jornada de quarta-feira, Francisca Jorge (674.ª), a atual campeã nacional absoluta, demorou a crescer no encontro e acabou por cair perante a segunda cabeça de série Tereza Martincova (225.ª), pelos parciais de 6-1 e 6-2, ao cabo de uma hora e oito minutos.

Mais tarde, foi a vez de Ana Filipa Santos (1149.ª) encontrar na francesa Manon Arcangioli (304.ª) um obstáculo absolutamente implacável. A sexta pré-designada da prova lisboeta mostrou-se dominante em todos os momentos do confronto e triunfou em parciais esclarecedores (6-0 e 6-0, em 54 minutos).

Na vertente de pares a conversa é outra

Depois de proporcionar o momento alto desta terça-feira ao eliminar as primeiras cabeças de série na competição de pares, Francisca Jorge voltou a fazer das suas.

Se de manhã transparecia desilusão pelo facto de a campanha em singulares ter chegado ao fim, a meio da tarde a atleta de 18 anos surgiu no mesmo court de cabeça erguida e determinada a voltar a brilhar. Ao lado de Fatma Al Nabhani, do Omã, levou de vencida a dupla formada pelas russas Ekaterina Kazionova & Polina Monova, alcançando assim as meias-finais do torneio.

O encontro revelou-se atípico, com a equipa convidada a adiantar-se no marcador através de uma recuperação extraordinária numa altura em que perdia por 1-5 no set inaugural. Logo de seguida, as tenistas russas recusaram (e de que maneira) darem-se por vencidas.

Venceram inequivocamente a segunda partida e forçaram um tiebreak, onde mais uma vez Francisca Jorge e Fatma Al Nabhani demonstraram um espírito de superação fora do normal para salvarem um match point e fecharem a contenda nos parciais de 7-5, 0-6 e 11-9, ao cabo de uma hora e vinte e cinco minutos.

A tenista portuguesa, juntamente com a parceira, esperam agora pelo desenlace do encontro que coloca frente a frente as terceiras cabeças de série Emma Laine & Samantha Murray à dupla formada pela atleta do Paraguai Montsserat Gonzalez e pela croata Ana Vrljic, no qual se decidirá as oponentes que as separam da final.

António Vieira
Natural de Lisboa e licenciado em Gestão, vê no Ténis uma extraordinária modalidade com vasto potencial a ser explorado em Portugal. Tem como principal objetivo a contribuição no seu crescimento partilhando com o Mundo a sua espetacularidade.