Pedro Sousa reconhece mérito do adversário e lamenta oportunidades desperdiçadas

Pedro Sousa declarações
Fotografia: Fernando Correia/Federação Portuguesa de Ténis

Depois de João Sousa, também Pedro Sousa queria vencer para dar a Portugal o precioso 2-0 no play-off do Grupo I da Taça Davis frente à Ucrânia. Mas o número 2 nacional teve pela frente o melhor tenista da história da equipa da casa na competição e acabou por não conseguir surpreender.

Na habitual conferência de imprensa de análise à jornada, o lisboeta — atual número 144 do ranking — admitiu as dificuldades e deu mérito a Sergiy Stakhovsky: “Foi um encontro difícil. Acho que o meu adversário teve muito mérito na forma como jogou. Eu tive as minhas oportunidades, principalmente no final do primeiro set e no início do segundo, mas não as consegui aproveitar.”

“Podia ter jogado melhor mas no geral não foi um encontro muito mal”, disse ainda Pedro Sousa, que lembrou: “Não tenho jogado muito em piso rápido e tenho de lhe dar mérito porque foi melhor do que eu.”

Os números não mentem: Sergiy Stakhovsky conseguiu quebrar por quatro vezes o serviço do português e defender-se quando tinha de o fazer, de que foi exemplo perfeito o início do segundo parcial: depois de salvar três break points, o ucraniano quebrou o serviço de Sousa e partiu para a vitória.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."