Roger Federer reitera que número 1 não é prioridade, mas sim ganhar torneios

Roger Federer regressa à competição pela primeira vez desde Wimbledon, na madrugada desta quarta-feira. O tenista suíço tem como primeiro oponente Peter Gojowczyk, carrasco de João Sousa na ronda inaugural.

Esta terça-feira foi dia do suíço falar com a ATP sobre a participação e a sua preparação para o Masters de Cincinnati, torneio que já conquistou por 7 ocasiões, a última das quais em 2015.

“Sinto-me muito bem, tenho de o dizer. Estou a habituar-me à humidade e ao calor por aqui e se este torneio me correr bem estarei com certeza preparado para o US Open. Sei que vai ser complicado o facto de não ter jogado na semana anterior, mas já o tinha feito antes e acho que o importante é estar saudável”, afirmou o número 2 mundial, que abdicou de jogar em Toronto.

Quem ganhou em Toronto, foi Rafael Nadal. A vitória do espanhol fez com que Federer se distanciasse ainda mais na luta pelo número 1, algo pouco importante para o suíço nesta fase da carreira.

“O número 1 nunca foi o meu objetivo no início do ano e não vai mudar a meio. Para mim o importante é estar saudável e desfrutar. Tenho jogado bem recentemente, mas sei que posso fazer melhor”, reiterou, afirmando que vencer o torneio é o principal objetivo.

“Tive a oportunidade de voltar a número um por uma última vez em Roterdão e procurei alcançá-lo. Quebrar um marco desse tamanho foi importante para mim. Até ao final do ano acho que não posso seguir esse objetivo. Se acontecer, acontece, se não, não. Não posso estar a jogar mais de 20 torneios por ano, esses dias acabaram, por isso tenho de concentrar em ganhar torneios, que para mim é mais importante”, concluiu o jogador de 37 anos.

Francisco Semedo
A tirar a licenciatura em Turismo na Universidade Europeia, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.