Os melhores do mundo estão de volta à Padel Nations Cup, agora em Vale do Lobo

Padel Nations Cup

Oito anos depois, Vale do Lobo prepara-se para acolher novamente os melhores do mundo. Se entre 2001 e 2010 passaram pela Vale do Lobo Tennis Academy vários dos melhores tenistas do mundo, este ano serão as estrelas do World Padel Tour a dar espetáculo — é a Padel Nations Cup by Barral e joga-se já a partir desta quinta-feira.

A competição, que é organizada pela Premier Sports e tem em Pedro Frazão o seu grande pilar — à semelhança do que acontecia com o já muito prestigiado torneio de exibição de ténis — transferiu-se de Vilamoura para Vale do Lobo precisamente “para reviver as gloriosas galas noturnas do Vale do Lobo Grand Champions“.

Este ano, estarão novamente reunidas as seleções de Portugal, Espanha, Brasil e Argentina. Ou seja, estão garantidas as presenças de várias das caras que ao longo dos últimos anos mais têm brilhado no circuito mundial de padel.

O primeiro serviço está marcado para as 21h desta quinta-feira, com o encontro entre Portugal e Brasil. Miguel Oliveira e Vasco Pascoal, dois dos melhores jogadores nacionais, vão defrontar os bem experientes Pablo Lima — nada mais, nada menos do que um dos dois jogadores que figuram na primeira posição do ranking mundial — e Gervásio del Bono, o atual selecionador português.

Depois, às 22h30, a Argentina de Fernando Belasteguín (recordista de semanas passadas no topo do ranking mundial, onde ainda permanece) e Gonzalo “Godo” Díaz defronta a Espanha de Martín Diaz e Aday Santana, números 14 e 35 do ranking.

O “modelo” é simples: as equipas que perderem discutem, na sexta-feira, o terceiro e quarto lugar e as que vencerem jogam pelo título, que neste momento ainda pertence à equipa da Argentina (7-6 e 7-5 frente ao Brasil na final de 2017, enquanto a Espanha agarrou o terceiro posto ao vencer Portugal por 6-2 e 6-4).

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."