Derrotas de Inês Murta e Rita Pinto deixam Olevra Cup sem portuguesas ao sexto dia

Inês-Murta
Vitória "dupla" para Inês Murta, que dos quartos de final passa diretamente à final.

PALMELAPrimeiro Maria João Koehler, depois Rita Pinto e Inês Murta. Esta quinta-feira foi um dia negativo para as cores portuguesas no SPARKS Tennis Park Palmela, tendo resultado no “fim da linha” para as representantes nacionais na Olevra Cup.

Se a portuense procurava um lugar nos quartos de final de singulares, a lisboeta e a algarvia tentavam carimbar o acesso às meias-finais da variante de pares. Mas perderam os respetivos encontros: Rita Pinto ao lado de Lauren Proctor (6-2 e 6-3 para Jacqueline Cabaj Awad e Nuria Parrizas-Diaz) e Inês Murta com Fatma Al Nabhani (6-2, 4-6 e 10-8 para Tereza Mihalikova e Julia Terziyska, terceiras pré-designadas, depois de terem liderado o match tiebreak por 4-8).

Desta forma, a Olevra Cup — torneio internacional feminino que distribui 25.000 dólares em prémios monetários — já não poderá contar com uma campeã “da casa” em nenhuma das vertentes.

Quartos de final de singulares:

  • Maria Gutierrez Carrasco vs. Estelle Cascino
  • Victoria Bosio vs. Dea Herdzelas
  • Sarah-Rebecca Sekulic vs. Eva Guerrero Alvarez
  • Ylena In-Albon vs. Caroline Romeo

Meias-finais de pares:

  • Valeria Bhunu e Maya Tahan vs. Tereza Mihalikova e Julia Terziyska
  • Mathilde Armitano e Elixane Lechemia vs. Jacqueline Cabaj Awad e Nuria Parrizas-Diaz
Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."