Rui Soares e Catarina Nunes são os campeões nacionais de squash de 2018

LISBOA – Realizou-se este fim de semana a edição de 2018 do Campeonato Nacional Absoluto de Squash, com Rui Soares e Catarina Nunes a erguerem, no Lisboa Racket Centre, os troféus mais desejados daquela que é a maior prova do calendário nacional. Ao longo da semana, o Raquetc transmitiu vários encontros que podem, agora, ser revistos aqui.

No quadro masculino, Rui Soares defendeu o estatuto de primeiro cabeça de série sem ceder qualquer set: no sábado venceu Michel Rocha (11-5, 11-6 e 11-4), Ricardo Sardinha (11-3, 11-2 e 11-7) e Jorge Monteiro (11-5, 11-6 e 11-3) e, já no domingo, Pedro Dâmaso — terceiro cabeça de série — por 11-5, 11-6 e 11-7 e depois, na grande final, o segundo candidato ao título, Cláudio Pinto, por 11-5, 11-9 e 11-7, em 35 minutos.

Na competição feminina, a vitória sorriu à terceira cabeça de série, Catarina Nunes, que apenas entrou por duas vezes em campo: nos quartos de final, tinha encontro marcado com Mariana Martins, que acabou por desistir, e assim “só” teve de enfrentar duas jogadoras — curiosamente, as únicas à sua frente na lista de cabeças de série: primeiro Alexandra Santos, segunda favorita (parciais de 9-11, 11-9, 11-6 e 11-7) e depois, na grande final, a primeira candidata ao título, Beatriz Dias, com 8-11, 11-2, 11-5 e 11-6, em 26 minutos.

No squash, à medida que vão sendo derrotados os jogadores distribuem-se por “placas”, cada uma com o objetivo final de apurar os classificados entre determinadas posições (por exemplo, o terceiro e quarto lugar, o quinto e sexto e assim sucessivamente, até todos os participantes ficarem com uma posição final — e não apenas “derrota na primeira ronda” ou “quarto finalista”).

Nesse sentido, ao mesmo tempo que os “sobreviventes” iam lutando pelo acesso às tão desejadas finais muitos outros duelavam, nos vários courts do Lisboa Racket Centre, pelas restantes posições dos quadros. Todos esses encontros e resultados podem ser consultados aqui.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."