Halep derrota Sharapova em batalha de titãs e vai lutar pelo título em Roma

Simona Halep
Fotografia: Internazionali BNL d'Italia

Um dia depois de ter garantido o estatuto de número 1 mundial pelo menos até Roland GarrosSimona Halep volta a ter razões para celebrar: a tenista romena derrotou a russa Maria Sharapova num duelo de titãs, por 4-6, 6-1 e 6-2, e está na final do Internazionali BNL d’Italia, um dos torneios mais fortes do calendário (Premier 5).

Frente a frente pela nona vez (primeira esta temporada), as duas jogadoras prometiam um duelo emocionante. Porque se é verdade que é Maria Sharapova quem lidera claramente o frente-a-frente (7-1 à entrada para este sábado), também o é que independentemente da vencedora os confrontos são, na sua grande maioria, sempre muito equilibrados.

E foi isso mesmo que aconteceu, em grande parte devido às respostas afinadas de parte a parte. Senão vejamos: dos 27 jogos disputados, 19 resultaram em quebras de serviço. É claro que na base desses mesmos breaks estão falhas nos serviços, mas a qualidade da primeira bola quer de Halep, quer de Sharapova foi tal que mesmo afinados os “saques” teriam sido quebrados em diversas ocasiões.

E assim o público em Roma pôde assistir a um grande duelo, onde houve um pouco de tudo. Espetáculo, emoção, drama, nervosismo e, claro, muitas celebrações, ou não estivesse em jogo a presença numa das finais mais importantes de todo o calendário tenístico.

Final essa que, ao fim de 2h24, Simona Halep ganhou direito a disputar. A número 1 mundial conseguiu dar sequência à boa vitória obtida frente a Sharapova em Pequim, no final de 2017, para voltar a ‘cantar’ vitória frente à tenista russa, de 31 anos, e assim marcar presença na terceira final do ano — foi campeã em Shenzhen e, logo depois, vice-campeã do Australian Open.

Do outro lado? Estará nada mais, nada menos do que a campeã em título deste torneio de Roma, a ucraniana Elina Svitolina, pelo que a final de domingo será uma repetição da decisão de 2017. No primeiro encontro do dia, a 4.ª classificada do ranking mundial levou a melhor sobre a estónia Anett Kontaveit em apenas duas partidas, parciais de 6-4 e 6-3.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."