Allez la France: Roland Garros entrega esmagadora maioria dos wild cards a jogadores da casa

França, França, França. Assim se preenche (quase por completo) a lista de jogadores escolhidos pela Federação Francesa de Ténis para receberem wild cards para a edição deste ano de Roland Garros, o segundo torneio do Grand Slam da temporada.

Divulgados hoje, os convites destinam-se, na sua grande maioria, a tenistas da casa: 75% dos convidados para os quadros principais feminino e masculino são franceses, uma percentagem que aumenta consideravelmente com os nomes da fase de qualificação.

Senão vejamos: para o quadro principal de singulares femininos, foram chamadas Fiona Ferro, Myrtille Georges, Amandine Hesse, Chloé Paquet, Pauline Parmentier e Jessika Ponchet, seis tenistas gaulesas a que se juntam ainda a norte-americana Taylor Townsend e uma jogadora australiana por designar — fruto dos protocolos entre as três federações.

No quadro masculino, cenário idêntico: Grégoire Barrere, Elliot Benchtrit, Calvin Hemery, Maxime Janvier, Nicolas Mahut e Corentin Moutet foram os franceses convidados e já sabem que vão ter a companhia de Noah Rubin (EUA) e um jogador da Austrália.

Para o qualifying, que arranca já na próxima segunda-feira com pelo menos quatro tenistas portugueses em ação (número que poderá aumentar mediante a lista das habituais desistências), foram atribuídos 17 wild cards, todos a tenistas da casa.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."