Tiago Cação: “A chave está em ser sempre humilde, seja contra quem for”

CARCAVELOS – Mais um dia, mais uma vitória de Tiago Cação, que continua imparável na derradeira etapa do Cascais NextGen Tour e carimbou, na jornada deste sábado, o apuramento para a final de singulares do Future de 25.000 dólares que se joga no Carcavelos Ténis, em Cascais.

O adversário deste sábado foi o holandês Miliaan Niesten e em declarações ao Raquetc o jogador de Peniche começou por dizer que “a chave para o sucesso está em ser sempre humilde, seja contra quem for. Não podemos relaxar nem esperar que os outros vacilem, só podemos esperar sempre que temos de dar o nosso melhor e é isso que tenho feito ao longo deste tempo. É por isso que os resultados têm vindo a aparecer.”

Sobre o duelo deste sábado propriamente dito, Tiago Cação disse ter-se sentido “seguro com o jogo dele, porque apercebi-me desde cedo de que a bola dele não me estava a fazer muita moça e que ia ser eu a controlar mais ou menos o jogo porque tinha mais armas do que ele.”

A vitória traduz-se na passagem à final de um torneio Future pela segunda vez. E se a primeira, em Vale do Lobo, foi numa prova com 15.000 dólares em prémios monetários, esta acontece na categoria superior — 25.000. Em comum pode estar o adversário, dado que Frederico Silva é favorito no embate previsto para ainda este sábado frente ao espanhol Esteve-Lobato.

E Tiago Cação começa por dizer que espera que o seu compatriota ganhe, “porque seria muito bom para ele. É claro que espero conseguir a desforra, mas mesmo se não conseguir sei que estou no caminho certo. Já estou com pelo menos uma final num torneio de 25.000 dólares e espero que isto seja a continuidade do trabalho que tenho feito.”

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."