Sloane Stephens: “Pretendo jogar apenas mais cinco anos”

Sloane-Stephens A

Sloane Stephens disse adeus na última noite ao WTA Premier Mandatory de Indian Wells, após ter sido vítima de um desaire em sets diretos face a Daria Kasatkina, na terceira eliminatória. Após o encontro, e perguntada sobre vários temas em plena conferência de imprensa, a campeã do último US Open aproveitou para referir que não se vê a jogar depois dos 30 anos.

“Vou fazer 25 anos na próxima semana e espero poder jogar mais cinco anos. E nesses cinco anos pretendo conquistar mais algum título do Grand Slam. Se tudo correr bem, nesses cinco anos ganharei mais alguns torneios e espero poder continuar a fazer mais coisas dentro e fora de campo. Não sei como terminarei a minha carreira”, apontou primeiramente antes de dizer que “definitivamente não” se vê a ter uma carreira até aos 36 anos como Roger Federer e Serena Williams ou 37 no caso de Venus Williams.

Também o tão badalado regresso de Serena à competição foi motivo de abordagem por parte de Stephens, que olha para a sua mais velha compatriota como um exemplo. “Serena teve uma bebé, e eu também quero ter no futuro. Se Serena regressa e vence um par de encontros, talvez pense na possibilidade de jogar enquanto mãe”, frisou.

Desde o triunfo em Flushing Meadows em setembro, a tenista natural de Plantation somente somou três vitórias e já leva oito derrotas, algo que tentou explicar também na conferência de imprensa.

“Não diria que foi um acidente, mas obviamente ir para a China depois de ganhar o US Open nem sempre é o mais conveniente ou divertido. Creio que agora estou a voltar à predisposição que tinha e com aquela motivação de voltar a jogar. Acho que será uma boa oportunidade voltar à terra batida. Após tanto tempo sem jogar em terra, estou ansiosa por regressar a essa superfície. Portanto, espero poder ter alguns bons resultados em terra batida. Isso seria bom”, vincou a atual número 13 mundial.

Natural da Ilha do Pico, Açores. Estudante do 3.º ano do curso de Direito da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Amante e seguidor de ténis desde a adolescência.