Frederico Marques: “O João acreditou que era possível desde a primeira bola até à última”

Foi uma madrugada de muitas emoções a que João Sousa e Frederico Marques viveram: o número um português teve a capacidade de derrotar Alexander Zverev em Indian Wells, somando assim uma das melhor vitórias da história do ténis português.

Passadas umas horas desse triunfo, o treinador do vimaranense falou ao RAQUETC, abordando o encontro e os pontos chaves para que o seu pupilo encerrasse de forma perfeita o último embate do dia no Estádio 2 do Indian Wells Tennis Garden.

“Foi um encontro muito completo da parte do João. Esteve muito bem física e mentalmente, aguentando todo o encontro e acreditando sempre desde o princípio que era possível vencer. Já tínhamos competido contra ele em 2016 e esse encontro escapou por pequenos detalhes (meia-final do ATP 250 de Nice). Aprendemos com esse jogo e ontem pusemos em prática o que nos faltou em 2016″, começou por dizer o técnico luso.

O mais importante é acreditar que é possível e foi o que o João fez desde a primeira bola até a última. Como tenho vindo a dizer tivemos um pequeno problema físico que nos afastou nos últimos meses de estar ao nosso melhor nível, mas estamos outra vez na boa linha”, afirmou.

Embed from Getty Images

Sobre os aspetos chave que permitiram a João Sousa sair de court com a vitória no bolso, Frederico Marques destacou a solidez e o posicionamento.

A diferença foi a solidez do João, tivemos um João a realizar menos erros não forçados que o adversário e a desgastá-lo fisicamente. Sabíamos que se tivéssemos a capacidade de controlar os princípios de jogada (serviço e resposta) que a partir da 4.ª bola seríamos mais fortes e foi o que aconteceu. Assim como o muito bom posicionamento do João, o último break que realiza no terceiro set não é obra do acaso. O João teve um fantástico posicionamento não deixando espaço livre depois das respostas e isso trouxe muita ansiedade ao adversário. Daí o facto de terem ocorrido tantos erros não forçados (que analisando bem são forçados)”, destacou.

Apesar da vitória alcançada ter sido frente a um jogador do top 10, Frederico Marques diz que ela não passa disso mesmo, de um triunfo. “É uma boa vitória mas apenas uma vitória. O torneio continua, a carreira continua. O Zverev continuará top 10 e nós subimos algumas posições mas ainda estamos longe do sítio onde desejamos estar”, relembrou.

Por fim, sobre o próximo adversário, o canadiano Milos Raonic, o técnico luso vê na eficácia do serviço e da resposta como aspetos cruciais para que João Sousa possa ter as suas oportunidades.

“A partida contra o Raonic será novamente um encontro no qual teremos de ter uma boa percentagem de primeiro serviço e responder a um grande nível. Se tal acontecer, teremos as nossas oportunidades. Vamos descansar o melhor possível durante o dia de hoje para que amanhã seja outro bom dia de luta”, concluiu.

Francisco Semedo
A tirar a licenciatura em Turismo na Universidade Europeia, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.