Na terra do samba, foi o tango de Diego Schwartzman que conquistou o Rio de Janeiro

Fotografia: Fotojump

No topo do morro do Corcovado, o Cristo Redentor impõe-se como a maior testemunha da final disputada lá em baixo, no Jockey Club Brasileiro. No court principal, bem mais pequeno, Diego Schwartzman (23.º) acaba de se tornar campeão do ATP 500 Rio Open, eliminando a velha raposa do ténis Fernando Verdasco (40.º).

Aquilo que lhe falta em altura, compensa certamente em qualidade. O argentino protagonizou uma semana absolutamente fantástica no Rio de Janeiro não cedendo um único set na sua caminhada até ao titulo. Pelo caminho, ultrapassou figuras como o conceituado Gael Monfils nos quartos de final e a surpresa do torneio Nicolas Jarry nas meias.

Já na final, no duelo de latinos, o sul americano colocou um ponto final à também incrível semana de Verdasco (ver aqui). O sexto cabeça de série não deu hipóteses ao oitavo, e apesar de ter sofrido um break logo no jogo de abertura, afinou prontamente o seu jogo não vacilando mais no seu serviço e resolvendo desta forma a partida em 2 sets, definidos pelos parciais de 6-2 e 6-3, ao cabo de uma hora e vinte e quatro minutos.

Aos 25 anos, Diego Schwartzman – além de já ter garantido a estreia no top 20 do ranking mundial – encontra finalmente um sucessor ao troféu conquistado no ATP 250 de Istambul, no ano de 2016, também em superficie de terra batida. Vence assim o seu primeiro titulo de categoria ATP 500 estabelecendo-se como o primeiro argentino a triunfar no Rio Open.

António Vieira
Natural de Lisboa e licenciado em Gestão, vê no Ténis uma extraordinária modalidade com vasto potencial a ser explorado em Portugal. Tem como principal objetivo a contribuição no seu crescimento partilhando com o Mundo a sua espetacularidade.