Neuza Silva e a estreia de Francisca Jorge: “Demonstrou que está a crescer como jogadora e pessoa”

Esta quarta-feira foi um dia especial para Francisca Jorge. Aos 17 anos, a campeã nacional absoluta realizou o primeiro encontro de singulares da carreira na Fed Cup e no final recebeu elogios da adversária, Heather Watson — que é a atual número 74 do mundo e já foi 38.ª.

Horas depois do duelo, que marcou o início da campanha portuguesa em Tallinn, na Estónia, a vimaranense falou com o RAQUETC: “Penso que estive bem mas ainda tenho dificuldades em manter sempre este ritmo mais alto e às vezes podia procurar mais entrar no campo. Acho que ainda posso dar mais. Mentalmente estive bem, naturalmente não tão bem no segundo mas sempre positiva e a tentar fazer as coisas certas.”

E se Heather Watson elogiou Francisca Jorge, a capitã da equipa portuguesa também o fez. No final da primeira jornada, Neuza Silva disse que “para o jogo de estreia e defrontando uma jogadora como a Heather, a Francisca entrou a jogar a um nível muito bom.”

Nas palavras da ex-número 1 nacional, que enquanto jogadora realizou 27 encontros na Fed Cup, Francisca Jorge fez com que Watson tivesse que “subir o nível de jogo e usar a sua grande diferença. Penso que foram os detalhes que fizeram a diferença, mas o meu sentimento é de um grande orgulho no nosso trabalho. Trabalhamos diariamente para subir o nível e hoje ela demonstrou que está a crescer como jogadora e pessoa.”

Esta quinta-feira, Portugal defronta a seleção da Estónia e uma vitória asseguraria desde já a manutenção da equipa das quinas no Grupo 1 da Fed Cup em 2018. Senão, a seleção nacional terá de disputar o play-off de relegação, onde uma vitória também garante a permanência nesta fase.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."