Naomi Osaka destruiu e reconquistou os corações da casa num dia cheio em Melbourne

Naomi Osaka
Primeiros oitavos de final da japonesa em torneios do Grand Slam / Fotografia: Tennis Australia

A primeira aventura de Sascha Bajin enquanto treinador “principal” está a correr de feição, com o prestigiado hitting partner a ver a sua pupila, Naomi Osaka, brilhar nos courts de Melbourne Park. Este sábado, a australiana “destruiu” e reconquistou corações a caminho da sua primeira quarta ronda em torneios do Grand Slam.

Depois de trabalhar como parceiro de treinos com Serena Williams, Victoria Azarenka e Caroline Wozniacki — ao lado de quem celebrou a conquista do último WTA Finals –, o alemão quis iniciar uma nova aventura como treinador. E uniu-se a Osaka, a carismática japonesa que brilha nas redes sociais e agora está também a despertar para o estrelato também dentro do campo.

Inicialmente marcado para a Rod Laver Arena, Naomi Osaka viu o seu encontro frente à estrela da casa, Ashleigh Barty, ser transferido para a Margaret Court Arena (o segundo maior palco) devido às maratonas entre Simona Halep e Lauren Davis e Hyeon Chung e Alexander Zverev. E foi lá que “destruiu” os corações de mais de 7.000 espetadores, ao alinhar uma das melhores exibições da carreira para surpreender a estrela da casa, número 17 mundial, com os parciais de 6-4 e 6-2 em apenas 73 minutos.

Mas Naomi Osaka tem um caráter especial. Um daqueles de que é difícil não gostar e que, mesmo na eventualidade de tal acontecer, se torna impossível não reconhecer um coração especial. Ainda não percebeu o que queremos dizer? A entrevista em court fala por si:

Sinto-me muito feliz mas ao mesmo tempo peço desculpa porque sei que queriam muito que ela ganhasse. Muito obrigado porque nunca tinha jogado com um ambiente como este. Sempre quis jogar com uma jogadora australiana porque na TV parecia ser muito bom, por isso obrigado.

Se hoje se apresentou ao público australiano, a quem parece, apesar de tudo, ter agradado bastante, a japonesa já brilhava há muito nas redes sociais. No Twitter, Osaka faz constantemente publicações divertidas em que brinca consigo própria e vai divulgando alguns detalhes sobre a sua personalidade. Um deles — talvez o mais curioso — o facto ter nascido em Osaka, no Japão mas só há pouco tempo ter aprendido a falar japonês (uma língua que ainda só fala em ambientes que a deixam confortáveis), por ter ido desde muito cedo para os Estados Unidos da América.

Vale a pena espreitar o Twitter desta talentosa tenista japonesa, ou mesmo o Instagram, onde há não muitos dias publicou… Bem, o melhor é ver (já aqui em baixo). Quanto à próxima adversária de Naomi Osaka, trata-se de Simona Halep — a número 1 mundial que na última madrugada sobreviveu a 3h46 de jogo e um terceiro set “de loucos”.

#Cringefest2018 🤗🎉

A post shared by Naomi Osaka 大坂なおみ (@naomiosakatennis) on

Um dia verdadeiramente em cheio

Se se esperava muito da jornada deste sábado, a verdade é que ela superou todas as expetativas. Desde a grande exibição de Angelique Kerber para deixar pelo caminho Maria Sharapova à já referida batalha épica entre Simona Halep e Lauren Davis, muitos foram os momentos memoráveis.

E, tal como para Osaka, também para Su-Wei Hsieh o dia foi muito especial. A jogadora do Taipé derrotou a 26.ª cabeça de série, Agnieszka Radwanska, por 6-2 e 7-5, e está de regresso à 4.ª ronda de um torneio do Grand Slam pela primeira vez em 10 anos.

A ela juntam-se ainda Caroline Garcia, que venceu Aliaksandra Sasnovich por 6-3, 5-7 e 6-2 e está mais próxima de defender as meias-finais de 2017, Karolina Pliskova (que venceu um duelo 100% checo frente a Lucie Safarova, por 7-6[6] e 7-5) e Madison Keys. A vice-campeã do US Open continua em boa forma e desenvencilhou-se em apenas dois parciais da romena Ana Bogdan, uma das surpresas do torneio, ao triunfar por 6-3 e 6-4.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."