Boris Becker: “Jogar um Grand Slam durante duas semanas é difícil para um jovem de 20 anos”

Boris Becker 45
Fotografia: Frank Molter

Mais cedo ou mais tarde, Boris Becker não tem dúvidas que Alexander Zverev acabará por se estrear na galeria de campeões de torneios do Grand Slam. Mas para colocar as mãos nos troféus que todos ambicionam, a antiga glória do ténis alemão considera que o seu jovem compatriota deve ser paciente.

“O mais difícil de quando se é jovem é que não se tem paciência. É querer que aconteça tudo para ontem. Jogar um Grand Slam durante duas semanas é difícil para um jovem de 20 anos, pois é difícil manter a concentração e o ritmo”, afirmou o campeão de seis Grand Slams, em declarações à agência Reuters.

Becker, ex-número 1 mundial e um dos melhores tenistas de todos os tempos, defende que nestes casos o tempo é o melhor amigo destes jovens tenistas. “É mais fácil ser bem-sucedido quando se é mais velho e com experiência nestes palcos. Com 19 ou 20 anos, eles querem logo jogar a final. Mas é um processo de duas semanas”, sublinhou.

O italiano Thomas Fabbiano é o primeiro adversário no caminho de Alexander Zverev no Australian Open [quadro principal aqui], torneio no qual o alemão de 20 anos tem como melhor resultado a presença na terceira ronda. Becker destaca a importância de Zverev não se desgastar muito nos primeiros encontros.

“Para ele, o importante é chegar confortavelmente à segunda semana. Chegar aos quartos de final e sentir-se bem com o seu nível de jogo, pois aí poderá tornar-se um adversário perigoso. Ele tem qualidade para jogar bem durante uma semana, já o provou quando venceu dois Masters 1000, mas precisa de um pouco de mais experiência para fazê-lo durante duas semanas”, apontou.

João Correia
Licenciado em Sociologia e Mestre em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação (ISCTE). Privilegiado por viver numa das melhores eras da história da modalidade.