Federer: “Não consigo agradecer o suficiente. Vocês gastam muito dinheiro e vêm de muito longe”

Roger Federer em Perth para a Hopman Cup

Ao quarto dia de Hopman Cup, a Perth Arena bateu o seu recorde de assistência. O motivo? O duelo entre a Suíça e a Rússia, que é como quem diz, o segundo encontro de singulares de Roger Federer na presente temporada.

No total, 13.943 adeptos preencheram as bancadas do recinto que ano após ano acolhe o maior torneio de exibição do mundo e que agora bate mais um recorde. E a situação não passou despercebida ao tenista suíço de 36 anos, que depois de bater Karen Khachanov por 6-3 e 7-6(8), deixou uma longa mensagem de agradecimento a todos os fãs que “gastam muito dinheiro e vêm de muito longe”.

O discurso que lhe valeu uma standing ovation surgiu como resposta à pergunta “como é que é para ti teres tantas pessoas a aparecer e a gritar o teu nome”, ao que Federer começou por responder “nada normal, digo-te isso”, recordando mesmo um episódio de há vários anos.

“Ver isso acontecer, ter pessoas a verem um treino meu, foi a coisa mais estranha que me aconteceu. Foi depois de me tornar número 1 mundial ao vencer o Australian Open, em 2004: estava em Roterdão, fui treinar e mal aqueci porque era uma troca de bolas básica e havia centenas de pessoas no treino. Eu só pensava ‘o que é que eles estão a fazer aqui? O que interessa é o jogo!

Segundos depois, o atual número 2 do mundo continuou, garantindo que “não tomo nada por garantido e acho que é isto que faz com que me mantenha no circuito, para ser sincero. Se tivesse de jogar em courts secundários ou em estádios que não estivessem completamente cheios a paixão que tenho pelo jogo iria desvanecer-se um pouco. Não consigo agradecer o suficiente de cada vez que estou aqui [em pé, para as entrevistas pós-jogo] porque vocês pagam muito dinheiro e vêm de muito longe. Respeito e aprecio muito isso, todos nós, jogadores de ténis, o fazemos.”

O discurso na íntegra, em inglês:

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."