Dimitrov volta a dizer presente e garante lugar na final mais importante da carreira

O ténis que Grigor Dimitrov está a jogar… Depois de ultrapassar a fase de grupos de forma exemplar e de ter mostrado tamanha superioridade nos seus dois últimos encontros dessa mesma fase de grupos, Grigor Dimitrov continua a provar o que já muitos esperavam dele nas últimas temporadas.

O tenista búlgaro, que muitos ainda apelidam de ‘Baby Fed‘, voltou a mostrar que essa alcunha começa a fazer cada vez menos sentido. Não só pelos resultados, mas também pelas exibições que tem presenteado nos últimos meses de competição, o que faz com que o tenista natural de Haskovo comece a contar a sua própria história no ténis mundial.

Invicto na fase de grupos onde somou três vitórias em outros tantos encontros, o número seis mundial tinha pela frente este sábado um jogador que não derrotava desde 2014, o norte-americano Jack Sock, tenista com quem perdeu os seus últimos três encontros, o último deles já este ano em Indian Wells.

Principal favorito ao título após a eliminação de Roger Federer, Grigor Dimitrov foi forçado a disputar três sets para seguir para final na O2 Arena. O tenista de 26 anos ainda perdeu o primeiro set, mas foi a tempo de recuperar e eliminar Jack Sock com os parciais de 4-6, 6-0 e 6-3, num encontro em que tomou o controlo a partir da perda do set inaugural.

O mais cotado dos dois tenistas até foi aquele que melhor entrou na contenda, fazendo o break inaugural que lhe permitiu adiantar-se para 3-0. No entanto essa vantagem acabaria por se desfazer momentos depois, com o norte-americano a responder na mesma moeda com três jogos consecutivos.

De seguida ambos os jogadores acabariam por fechar com sucesso os seus seguintes jogos de serviço, mas no momento mais crítico foi o número 9 mundial que fez a diferença, ao fazer o break que lhe permitiu servir com sucesso para a conquista do primeiro set.

Não afetado com a perda do primeiro parcial, a resposta de Grigor Dimitrov não se fez esperar. O búlgaro disparou no marcador do segundo set e ao fim de apenas 23 minutos já tinha igualado a partida com 6 jogos vencidos de forma consecutiva.

Forçado o terceiro e decisivo set, as forças voltaram a igualar-se. No derradeiro parcial o primeiro e único break apareceu apenas no 8.º jogo e outra vez para o pupilo de Daniel Vallverdu, que viria a selar no jogo seguinte o apuramento para a final mais importante da carreira.

Carimbada a qualificação, Grigor Dimitrov garante também que terminará o ano a número três mundial, destronando Alexander Zverev desse posto. Quanto à final, essa será disputada frente a David Goffin, sendo desde já certo que o torneio londrino terá um campeão inédito.

Francisco Semedo
A tirar a licenciatura em Turismo na Universidade Europeia, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.