Tenerife, Barcelona, top 10s e, muito provavelmente, Rafael Nadal. A pré-época de João Sousa ao detalhe

João Sousa encerrou a época de 2017 com a conquista do título no Campeonato Nacional Absoluto/Taça Guilherme Pinto Basto. Agora, seguem-se “duas semanas de descanso” — as únicas férias ao longo de todo o ano –, mas isso não significa que não se pense já na pré-época.

Em declarações ao RAQUETC depois da final, Frederico Marques deu a conhecer vários pormenores daquelas que serão as semanas de preparação com o seu jogador. O planeamento está, aliás, praticamente definido, faltando apenas a confirmação da presença de Rafael Nadal nessa mesma preparação.

“Se vamos ter Nadal? É possível. Vamos ter 10 dias em Barcelona na primeira fase da pré-época, seguido de 10 dias em Tenerife com o Dominic Thiem e alguns dias também com o Philipp Kohlschreiber. Vamos tentar fugir ao frio de Barcelona que nos custa algumas vezes”, começou por dizer o técnico português, que afirma gostar de “viajar com o João na pré-época para não estar demasiados dias em casa e fora da competição, do hotel, das nossas rotinas”.

“Vamos 10 dias com o Thiem e ainda estão por fechar alguns dias com o Nadal. Para acontecer, seria entre 17 e 23 de dezembro. Depois, a partir de dia 26 e até 4 de janeiro temos treinos agendados com Karen Khachanov, Andrey Rublev, Pablo Carreño-Busta e Albert Ramos em Barcelona”, informou.

Se a hipótese Nadal já não é uma novidade, a presença de Dominic Thiem na preparação de João Sousa será inédita. Para Frederico Marques, ambos os jogadores vão ao encontro das metodologias de treino que que o técnico de 31 anos quer para João Sousa.

“Porquê Thiem e Nadal? Primeiro porque tenho muito boa relação com a equipa do Nadal. Em relação ao Thiem, nos últimos anos tenho-me aproximado um bocadinho mais da metodologia do Bresnik, uma metodologia de que gosto. Sou um treinador que faz Iron Man e provas de sacrifício”, começou por explicar o treinador do vimaranense entre alguns sorrisos.

“Em relação ao João, gosto que ele tenha um volume alto de treino, não só de horas mas de intensidade. Se estamos a falar de intensidade, falamos de Nadal e Thiem que são o top 2 em termos de intensidade. Alguns jogadores têm essa intensidade a competir porque são mais competitivos, estes têm a competir e a treinar. Vamos treinar com eles para eu e o João aprendermos sobre as suas metodologias”, justificou, deixando muitos elogios ao número 4 mundial.

“Já sabemos como é que o Nadal trabalha física e psicologicamente, o que come, o que não come, mesmo dentro do campo como trabalha e como prepara uma época. Já estivemos em Monte Carlo com o Djokovic e com o Raonic e o Thiem é um dos jovens que a meu ver vai estar lá ainda mais em cima, para mim vai ganhar Roland Garros no futuro e acho que é uma oportunidade de poder aprender com ele e com a equipa dele”, reiterou.

Voltando ao “tema Nadal”, Frederico Marques diz ainda estar em ‘negociações’ com a equipa técnica do número um mundial para poder acertar as datas — a acontecer, a “reunião” será, naturalmente, na academia que o espanhol inaugurou há pouco mais de um ano, em Maiorca.

“De 17 a 23 seria para trabalhar com o Nadal. Ainda não está confirmado, ainda estou a falar com o Carlos Moya e com o fisioterapeuta dele a ver se conseguimos enquadrar tudo. Como ele acaba mais tarde a época, vai começar mais tarde a pré-época. Já tem combinado com o Grigor Dimitrov alguns dias e por isso vamos tentar enquadrar tudo”, concluiu Frederico Marques, que revelou ainda que será em Auckland que o número 58 mundial vai começar a época.

Calendário resumido:

10 dias em Barcelona

De 10 a 17 de dezembro – Tenerife com Dominic Thiem (todos os dias), Phillipp Kohlschreiber, Ernest Gulbis, Sebastian Ofner, entre outros

De 17 a 23 – Maiorca com Rafael Nadal

De 23 a 26 – Férias de Natal

De 26 dezembro a 4 de janeiro – Barcelona com Karen Khachanov, Andrey Rublev, Albert Ramos e Pablo Carreño-Busta

Francisco Semedo
A tirar a licenciatura em Turismo na Universidade Europeia, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.