Goerges e Vandeweghe vão lugar pelo último título do ano no circuito WTA

Julia Goerges ou CoCo Vandeweghe. Uma delas vai levar para casa o título de campeã do WTA Elite Trophy e fechar a temporada de 2017 da melhor forma possível, depois de nas meias-finais deste sábado terem chegado ao fim na condição de vencedoras.

Na primeira meia-final do dia, a alemã Julia Goerges procurava dar continuidade a uma série de vitórias que está a fazer deste final de 2017 um dos melhores períodos da carreira. E conseguiu mesmo, ao derrotar Anastasija Sevastova, quinta cabeça de série, por 6-3 e 6-3. O duelo ficou marcado pela grande agressividade da germânica, que apontou um total de 41 winners e conseguiu conseguiu sempre manter-se sólida na sua pancada de serviço, criando dificuldades à letã no seu próprio saque.

Com esta vitória, Goerges soma já oito triunfos consecutivos (chegou a Zhuhai tendo ganho o torneio de Moscovo, na Rússia) e vai agora em busca do seu segundo troféu do ano com um bom sabor de desforra pela derrota sofrida na final de Maiorca, este ano, para Sevastova.

Na final, Julia Goerges terá pela frente a norte-americana CoCo Vandeweghe. A norte-americana é a segunda cabeça de série do torneio e derrotou a australiana Ashleigh Barty, também por 6-3 e 6-3, para chegar pela segunda vez esta temporada à final de um torneio (já tinha sido finalista em Stanford, onde perdeu para Madison Keys).

No caso de Goerges, está em jogo o segundo troféu de 2017 (o ano em que quebrou o jejum de seis anos), enquanto para a norte-americana se trata da hipótese de sair da temporada com um título de campeã.

Independentemente do que aconteça na final, que está marcada para este domingo, o WTA Elite Trophy de Zhuhai terá uma nova campeã.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."