Michaela Honcova é a campeã do Porto Open 2017

PORTO – Está encontrada a campeã de singulares da edição de 2017 do Porto Open: Michaela Honcova confirmou o estatuto de primeira cabeça de série e venceu uma final que se prolongou por 2h11 para conquistar o primeiro título de singulares desde 2013.

Frente a frente no court central do Clube de Ténis do Porto estavam as duas primeiras cabeças de série. Da Eslováquia, Michaela Honcova (316.ª no ranking), e de França, Sara Cakarevic (502.ª). Nas bancadas, vários espetadores curiosos que não quiseram perder a final feminina da 18.ª edição do torneio.

E foi um espetáculo aquele a que assistiram: se o encontro começou de forma equilibrada mas com poucos pontos capazes de arrancar aplausos, a partir do meio do segundo set as duas jogadoras elevaram o nível.

Cakarevic, que procurava o segundo título da carreira, foi sempre a jogadora que tomou a iniciativa, procurando abrir o ângulo e explorar o ténis de Honcova, enquanto a eslovaca apostou na paciência e aguardou mais pelo erro da adversária.

Se a táctica começou por sorrir à francesa (que no terceiro set esteve quase sempre em desvantagem mas chegou a salvar dois match points e reencontrar a igualdade), no final acabou por ser a eslovaca quem levou a melhor, quando estavam decorridas 2h11, com os parciais de 5-7, 6-1 e 7-5.

Em declarações ao RAQUETC após a final, Michaela Honcova mostrou-se “muito feliz por ter ganho uma final que foi muito equilibrada frente a uma jogadora que joga muito, muito bem. Já a tinha visto jogar bem em semanas anteriores e aqui no Porto esteve sempre muito forte em todos os encontros.”

Já Sara Cakarevic, que esteve doente e chegou a pensar “que não conseguia jogar a final”, mostrou-se naturalmente desiludida por não ter ficado com o troféu “mas saio do Porto muito feliz por ter jogado bem e conseguido marcar presença na final”. Sem planos para as próximas semanas, vai “aproveitar as pequenas férias” antes de regressar aos courts.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."