Em casa é ele quem faz a festa: João Monteiro campeão do Porto Open

PORTO – A festa faz-se na língua portuguesa! João Monteiro é o novo campeão do Porto Open, um torneio que conquista na sua cidade, o Porto, e perante muitos compatriotas que o viram celebrar a vitória frente a um jogador que já pertenceu ao top 170 do Mundo, o espanhol Javier Marti.

Aos 23 anos, João Monteiro pisou o palco central do Clube de Ténis do Porto pela quinta vez esta semana. Uma semana que tão cedo não esquecerá, porque depois de ter garantido o seu primeiro triunfo “em casa”, continuou a quebrar barreiras e não deixou que o parassem. Este domingo, derrotou Javier Marti (atual 393.º do mundo mas que já foi 170.º) por 6-2 e 7-5, numa final em que não só conseguiu controlar o espanhol como colocar-lhe muitas dificuldades com o seu ténis ofensivo.

Não é fácil “mandar” em casa, mas hoje João Monteiro fez com que assim o parecesse. Já com bastante experiência na bagagem — os quatro anos em que esteve a estudar e jogar nos Estados Unidos da América mostram ter sido cada vez mais uma excelente opção –, não cedeu à pressão de jogar perante o seu público nem tão pouco por ser considerado favorito ao título.

E assim, passo a passo, pancada a pancada, construiu um triunfo que lhe permitiu celebrar como nunca. Nas bancadas, o treinador Rui Machado (que há cerca de um ano assumiu funções de Coordenador na Federação Portuguesa de Ténis e trabalha no Centro de Alto Rendimento) ergueu o punho para celebrar a vitória, tal como várias caras (muito) conhecidas do ténis nacional. E várias gerações (de Vítor Pereira, Presidente do Clube de Ténis do Porto e várias vezes campeão nacional, a Nuno Deus e Tiago Cação, que ontem venceram em pares, a Francisca Jorge — que esteve a representar Portugal no Campeonato da Europa de Sub 18, em Klosters, na Suíça, e até aos muitos jovens que participam na Taça Diogo Nápoles, que arrancou este fim de semana).

A vitória deste domingo traduz-de na quarta de João Monteiro em torneios Future, ele que se dá muito bem em solo português: é que desses quatro troféus, três foram ganhos em Portugal (a Idanha-a-Nova juntam-se o Open de São Domingos e o Porto Open, ambos torneios de 25.000 dólares e ganhos este ano), aos quais se junta ainda o título de Campeão Nacional Absoluto, que detém.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."