Tiago Cação e Nuno Deus são os campeões de pares do Porto Open

PORTO – Os primeiros campeões da 18.ª edição do Porto Open são portugueses: Tiago Cação e Nuno Deus recuperaram da desvantagem de um set para derrotarem os terceiros cabeças de série e ficarem com o troféu mais importante da final, onde celebrarem o primeiro título lado a lado.

Lado a lado num torneio profissional pela quarta vez, os dois portugueses viram os brasileiros Rafael Matos e Marcelo Zormann da Silva vencerem o primeiro set, mas conseguiram recuperar de forma exemplar para selarem a vitória, por 2-6, 6-4 e 10-8, quando o relógio apontava 1h19 de encontro.

Esta foi a primeira final da ainda curta carreira de Tiago Cação, que assim conquista o primeiro título no circuito profissional. Já Nuno Deus, que no passado já tinha jogado uma final do Porto Open mas não tinha conseguido ganhar a prova, ergue pela 12.ª vez na carreira um troféu de campeão de pares. Desses, 10 foram ganhos em Portugal.

Em declarações no final do encontro, Nuno Deus não escondeu estar “muito feliz por ter ganho este torneio. Já tinha ido uma vez à final com o João Domingues e felizmente desta vez consegui o título, que é o objetivo principal.”

Sobre o jogo propriamente dito, o tenista lisboeta não escondeu que “não começámos bem e acho que acusámos um bocadinho estarmos a jogar uma final mas felizmente no segundo set conseguimos apresentar o nosso nível, levámos o jogo ao supertiebreak, que é sempre uma espécie de lotaria, e felizmente ficámos com o título, que é a cereja no topo do bolo”.

A análise foi partilhada por Tiago Cação, que afirma estar “muito contente por ter ganho este título” naquela que foi a sua primeira final em torneios Future. “Conseguimos apoiar-nos bem e sair sempre por cima das situações más que enfrentámos. Acho que foi uma excelente semana.”

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."