Annabel Schoen. A suíça de 14 anos que treina nas Caldas da Rainha e participou no Porto Open

Ainda a cidade do Porto estava acordar e já Annabel Schoen treinava nos courts de terra batida do Clube de Ténis do Porto. Entre as várias participantes da 18.ª edição do Porto Open, chamava à atenção pela pequena estatura e a forma como já bate na bola.

Foram vários os curiosos que espreitaram a sessão de treino e, mais tarde, mais ainda os que pelo campo passaram para a ver jogar. Tal como eles, também o RAQUETC queria saber mais sobre esta jovem jogadora. Descobrimos que é suíça, tem 14 anos, jogou no Porto Open um torneio do circuito internacional feminino pela primeira vez na carreira e treina nas Caldas da Rainha, mais concretamente na Felner Tennis Academy.

Pedro Felner, Diretor Geral da Academia, contou ao RAQUETC que “a Annabel treina connosco há muitos anos, tal como o irmão, Patrick Schoen, que é uma das maiores esperanças do ténis suíço e atual campeão nacional de sub 12. Eles treinam connosco na academia durante muitas semanas ao longo do ano e pontualmente viajamos a Zurique para trabalhar com eles.”

Sobre a participação de Annabel Schoen no Porto Open — que marcou a estreia em torneios do circuito internacional feminino –, Felner diz que “teve a ver essencialmente com a motivação da Annabel para experimentar jogar um torneio deste nível.”

O treinador explica que a sua jogadora “tinha a possibilidade de competir no ITF Junior de Leiria mas preferiu passar por esta experiência” e que “acabou por ser positivo.” Muito positivo, arriscaríamos nós dizer. apesar de derrotada, a jovem tenista suíça deu muita luta à francesa Marie Mattel, de 17 anos (e que viria a chegar ao quadro principal), e levou o encontro a um terceiro set (6-4, 6-7[0] e 6-3).

Sobre a nova experiência, Annabel Schoen disse ao RAQUETC que foi “uma sensação incrível competir num torneio tão grande e com muito bons jogadores. No início pensava que não ia conseguir jogar o qualifying e fiquei muito feliz por jogar o meu primeiro torneio no Porto.”

“Muito nervosa” no início, “porque havia muitas pessoas a ver”, Schoen sentiu-se “honrada por jogar contra uma jogadora muito mais velha e com mais experiência do que eu. No início do encontro estava muito nervosa e por isso muitas bolas foram fora, mas depois comecei a aproveitar e a sentir-me mais relaxada. Cheguei à minha “zona” e comecei a jogar muito bem. Fiquei muito feliz por ter conseguido jogar bem no meu primeiro ITF”.

Este fim de semana, e porque o Porto Open foi “apenas uma experiência”, Annabel Schoen está de volta ao Clube de Ténis do Porto, mas para disputar a Taça Diogo Nápoles.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."