Esplendor na Relva | “O Diabo Passou por Ali”, por Miguel Seabra (em Wimbledon)

0

Há precisamente um ano, a tradição wimbledoniana do ‘Middle Sunday’ foi arruinada pela chuva que se fez sentir ao longo da primeira semana do torneio – pelo que, pela quarta vez na história do mais prestigiado evento tenístico do mundo (após 1991, 1997 e 2004), foi mesmo necessário jogar-se no domingo do meio da quinzena para recuperar o relativo atraso verificado. E digo relativo porque, ao contrário das outras três anteriores ocasiões, o ‘Middle Sunday’ não foi um pujante ‘People’s Sunday’ com a bilheteira completamente aberta até ao esgotar da lotação: como não havia tanto atraso para recuperar, o ‘Middle Sunday’ de 2016 foi sobretudo um ‘Quiet Sunday’ sem filas, com uma bilheteira controlada (22 mil ingressos) e muito menos encontros na programação. Um deles o de João Sousa, que passou ao lado da oportunidade de se qualificar pela primeira vez para os oitavos-de-final de um torneio do Grand Slam ao perder com o checo Jiri Vesely em três curtas partidas.

Esse encontro impediu-me de cumprir uma minha tradição wimbledoniana – a de passar o Middle Sunday em Londres. É o que tenciono fazer esta tarde, logo que acabar de escrever esta crónica… e comecei o texto precisamente a recordar o que se passou para estabelecer um duro contraste com a realidade de 2017: há um ano, tínhamos um representante luso a discutir o acesso à segunda semana de um torneio do Grand Slam face a um adversário de ranking inferior; este ano, não houve qualquer português em cena na segunda ronda dos quadros principais de singulares da competição. Após João Sousa cair diante de Dustin Brown na eliminatória inaugural (perderia também na primeira ronda de pares), também Duarte Vale foi afastado no seu encontro de estreia na competição de sub 18. É certo que há um ano perdeu igualmente na primeira ronda de singulares e ainda não iniciou a participação na variante de pares, mas chegámos mesmo ao ‘Middle Sunday’ com um amargo sabor de boca comparativamente com anteriores participações lusas em Wimbledon na presente década – e convém não esquecer que Michelle Brito também contribuiu para essa fasquia, nomeadamente com a retumbante vitória diante de Maria Sharapova numa das suas duas caminhadas até à terceira ronda.

Visita inesperada e momentânea

Sim, tal como no ano passado Duarte Vale foi afastado logo de início em singulares. Mas a derrota deste ano pesa mais por se tratar da sua última participação nos juniores em Wimbledon. Desta vez sucumbiu por 6-4 e 7-6 (8/6 no tie-break) em 1h15m diante do checo Michael Vrbensky – um jogador que se pode considerar do mesmo nível do português mas que se revelou bem mais adaptado ao piso relvado do Court 9. Aproveitou logo no início uma intensidade mais baixa do cascalense para fazer o break que determinaria a vitória na primeira partida; no segundo set houve trocas de quebra de serviço e tudo ficou decidido num apertado tie-break… mas convém reconhecer que o checo, sempre mais à vontade nas transições para a rede e com menos erros diretos, poderia ter fechado antes o encontro caso não tivesse tremido nos primeiros match-points de que dispôs (sobretudo uma dupla-falta no primeiro e um vólei fácil no segundo).

Depois de alguns momentos do primeiro set na companhia do presidente da Federação Portuguesa de Ténis, Vasco Costa, e do histórico José Basílio Pinto Basto e respetiva mulher, vi a segunda partida ao lado do treinador (e ex-campeão nacional e meu ocasional co-comentador no Eurosport) Emanuel Couto e de um fã português de Espinho que se encontra a estudar em Londres, Pedro Alves. Mas a certa altura levantei-me e deparei-me com algo de muito bizarro: ali, no corredor entre os modestos campos 9 e 10 do All England Club, estava uma figura de silhueta e penteado inconfundível que muitas vezes se pode ver no camarote de Roger Federer: Anna Wintour, a lendária editora da revista Vogue americana que serviu de inspiração à implacável personagem interpretada por Meryl Streep em ‘O Diabo Veste Prada’ (não sei se estava a vestir Prada e não quis perguntar, mas os óculos eram Chanel e o relógio Cartier!). Parou um bocadinho, olhou para o que se passava no encontro entre Duarte Vale e Michael Vrbensky e seguiu com uma amiga em direção ao Centre Court.

Mas que diabo estaria ela ali a fazer? Bom, presumo que estivesse a vir da zona VIP – mas não deu grande sorte ao Duarte Vale. Entretanto, no final do encontro chegou o Nuno Franco, um português que trabalha na empresa de management de jogadores de ténis liderada por Corrado Tschabuschnig em Milão, e ficámos à conversa até me juntar mais tarde ao Emanuel e ao Duarte (que estava com os seus pais e irmãos) nas instalações dos jogadores em Aorangi Park. O resultado dessa conversa pode ser encontrado no ficheiro áudio aqui publicado em baixo… até porque fazer a ‘desgravação’ leva muito tempo e tenho de ir para Londres gozar o que me resta do Middle Sunday. Ouçam o rescaldo da boca dos próprios, porque vale ainda mais a pena. Enjoy!

Comentários

Comentários