João Monteiro: “Hoje foi um bocado pernas e coração”

LISBOA – Com “pernas e coração”. Foi assim que João Monteiro descreveu a forma como salvou quatro match points e deu a volta ao encontro frente a Gonzalo Escobar (451.º), com os parciais de 4-6, 7-6(6) e 6-3, para marcar presença nas meias-finais do 2.º Open de São Domingos, em Lisboa.

Em declarações após o grande duelo do início de tarde desta sexta-feira, o tenista portuense disse que sobreviveu ao encontro de hoje “com pernas e coração. A cabeça estava um bocado fora de mim, não estava a jogar o meu melhor ténis mas acho que lutei até ao último ponto e salvei match points com winner, mas sim, senti que foi um pouco sobreviver e não ditar o encontro. Principalmente quando estava contra o vento senti que podia ter feito algo melhor do que o que fiz.

“Muito satisfeito” com a forma como lutou para dar a volta ao encontro, Monteiro diz que “em termos psicológicos a satisfação é máxima” mas em termos de ténis sente que poderia ter feito algo mais, num encontro que também ficou marcado pelo joelho enfaixado que apresentou e que, apesar de tudo, diz ser apenas “para prevenir lesões” depois de lhe ter sido detetado um estiramento que “não é impeditivo”.

Sobre a meia-final, fase em que vai defrontar André Gaspar Murta, que já defrontou no Future da Quinta da Marinha (Cascais NextGen Tour), o tenista português espera “um bom jogo” e fala ainda da presença de 3 jogadores lusos entre os 4 semifinalistas: “Isto demonstra no ténis português estamos a atravessar uma ótima fase e que as melhores coisas ainda estão para vir.”

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."