Fred Gil e Gonçalo Oliveira felizes com presença na final do Lisboa Belem Open

LISBOA – Foi com um sorriso rasgado nos lábios que Fred Gil e Gonçalo Oliveira estiveram à conversa com o RAQUETC no final do encontro, após garantirem um lugar na final de pares do Lisboa Belém Open.

Os dois tenistas lusos mostraram-se satisfeitos com a vitória arrancada a ferros e confiantes para o dia da final.

“Este campo era muito mais rápido”, comparou Gil. “Acho que a chave do jogo foi termos acreditado até ao fim que podíamos virar e tentar meter o máximo de respostas possíveis dentro, pois quem servia tinha muita vantagem. Estivemos bem, jogámos melhor do que eles no super tie-break“, analisou o ex-número um nacional, falando ainda da importância de voltar a jogar uma final a este nível.

“É ótimo estar novamente aqui numa final a nível Challenger, principalmente por estar a jogar bem, feliz e em Portugal com o Gonçalo também a ajudar. Acho que estamos a fazer uma boa semana”, comentou Fred Gil.

No que diz respeito ao dia da final, o sintrense afirma que “vamos preparar-nos da melhor maneira. Acho que temos tudo para ganhar. É preciso acreditar até ao fim. Podemos perder, mas a mentalidade tem de ser esta.”

O discurso de Gonçalo Oliveira foi semelhante em termos de análise ao encontro. “Os dois sets foram bastante equilibrados, mas no super tie-break jogámos bastante melhor, com muitas respostas agressivas que foram muito importantes durante o super tie-break. A 5-3 abaixo nunca perdemos a cabeça, era só um break“, declarou o jovem luso que vai disputar este sábado a sua primeira final em torneios desta categoria.

“Para mim é super importante. Este resultado é muito importante para poder entrar nos Challengers e estou muito contente por fazer esta minha primeira final com um amigo como o Fred”, disse o portuense que afirma que “jogar uma final aqui em casa é sempre bom e com o Fred e o público a puxar por nós vai ser incrível. Não tenho dúvidas disso.”

Francisco Semedo
Licenciado em Turismo e a tirar Mestrado em Ciências da Comunicação, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.