Pedro Sousa: “Às vezes é importante ganhar a jogar mal e foi o que aconteceu hoje”

LISBOA – A dada altura do encontro, o marcador chegou a apontar um set e a vantagem de dois breaks para Federico Coria, mas nem isso impediu Pedro Sousa de recuperar a tempo de se apurar para os quartos de final do Lisboa Belém Open num dia em que, confessou mais tarde em conferência de imprensa, ganhou a jogar mal.

“Se soubesse como é que se fazia, fazia mais vezes”, começou por dizer o jogador lisboeta quando questionado sobre o segredo para recuperar num encontro como o desta quinta-feira. “As coisas não estavam a sair bem mas tentei continuar a fazer coisas diferentes e a meter a bola dentro. Mas acabei por conseguir equilibrar o jogo e dar a volta no final.”

“Não me estava a sair nada. Também está bastante calor e algum vento que hoje não estava e por isso estava mais difícil de controlar a bola. Ele baixou um bocadinho o nível, eu comecei a meter mais bolas dentro, a não arriscar tanto e acabei por conseguir”, continuou Sousa, que é o único português ainda em prova na variante de singulares.

Ainda sobre o encontro frente a Federico Coria, Pedro Sousa afirmou que “às vezes é importante ganhar a jogar mal, que foi o que aconteceu hoje. O mais importante no fim do dia é ganhar e por isso estou tão satisfeito quanto ontem”.

Já sobre o duelo frente a Gianluigi Quinzi, talentoso tenista italiano que ganhou o torneio júnior de Wimbledon em 2013, o tenista lisboeta espera “um jogo difícil” contra um jogador que “joga muito bem” e que já derrotou no passado, em Porto Alegre.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."