Lisboa Belém Open: recuperação categórica coloca Pedro Sousa nos quartos de final

LISBOA – Diz o ditado que “tudo está bem quando acaba bem” e a verdade não poderia estar mais próxima disso mesmo para Pedro Sousa, que depois de um mau arranque recuperou a tempo de carimbar a passagem aos quartos de final de singulares do Lisboa Belém Open. O lisboeta é o único representante luso ainda em prova na grelha individual do torneio Challenger ATP.

Favorito à vitória no encontro dos oitavos de final, Sousa tinha em mãos a tarefa de manter viva a representação portuguesa perante um Estádio CIF que esta quinta-feira, feriado, ficou muito bem composto e no início testemunhou as derrotas de Frederico Silva e João Domingues.

Mas do favoritismo ao triunfo há um longo caminho a percorrer e o jovem lisboeta de 29 anos, que está no 154.º posto do ranking ATP (melhor classificação da carreira), entrou a perder no encontro frente ao argentino Federico Coria, irmão de Guillermo Coria, precisando de recorrer a uma terceira partida para vencer, por 2-6, 7-6 e 6-0.

A vitória no segundo parcial foi arrancada a ferros perante vários espetadores que “puxaram” por Pedro Sousa, ajudando o único português ainda em prova a dar a volta à situação pouco favorável — chegou a estar em desvantagem por um set e dois breaks — com vários cânticos e aplausos.

Depois de 1h52 de encontro, o número 4 português selou o triunfo para avançar aos quartos de final do Lisboa Belém Open, onde já não tem a companhia de nenhum compatriota. Em pares, no entanto, Portugal já tem assegurada a presença de uma dupla nas meias-finais, dado que ainda hoje Fred Gil e Gonçalo Oliveira defrontam João Domingues e Frederico Silva.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."