Cheira bem, cheira a vitória: Gonçalo Oliveira com recuperação grandiosa em Lisboa

LISBOA – Está encontrado o primeiro vencedor português no quadro principal de singulares do Lisboa Belém Open, o torneio Challenger ATP que se realiza no CIF até ao próximo dia 18 de junho. Gonçalo Oliveira superou uma estreia complicada para avançar para a segunda ronda numa batalha de “Gonçalos”.

De regresso a Portugal depois de no início de maio ter somado a primeira vitória da carreira em fases de qualificação de torneios ATP (aconteceu no Millennium Estoril Open, onde só foi parado pelo compatriota João Domingues), Gonçalo Oliveira, que esta semana surge na melhor classificação de sempre — é 309.º –, levou a melhor sobre o qualifier Gonzalo Escobar, que é o número 457.º da tabela classificativa, por 1-6, 6-3 e 7-6(5).

Nesta batalha de (quase) homónimos, o equatoriano entrou melhor ao vencer com relativa facilidade o parcial inaugural, mas o jovem guerreiro português nunca desistiu e, com cada vez mais compatriotas na bancada a puxarem por si, deu início a uma reviravolta que se traduz na primeira vitória da carreira em quadros principais de torneios Challenger.

Não se pense que foi fácil, porque não foi, mas como se costuma dizer, são estas que dão mais gozo: afinal, Oliveira chegou a estar a perder por 5-2 no set decisivo e chegou a anular um match point quando serviu precisamente a 5-2 para não perder o encontro, consumando posteriormente uma reviravolta grandiosa ao vencer o tie-break.

Com a vitória sobre Gonzalo Escobar, Oliveira, o “nosso” Gonçalo, está pela primeira vez na carreira na segunda ronda de um quadro principal de um torneio Challenger ATP. Quanto ao próximo adversário, será Gleb Sakharov, que surpreendeu Ruben Ramirez Hidalgo, oitavo cabeça de série.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."